quinta-feira, 30 de julho de 2020

Comida natural faz bem, mas é preciso saber o que dar e como dar


Se nossos animais falassem talvez eles dissessem: "Será que dá pra variar o cardápio?".
Deve ser mesmo pouco prazeroso comer todo dia as mesmas "pedrinhas" de ração. E mesmo os sachês de comida úmida, que são mais atraentes, têm suas restrições porque cada bichinho tem suas fragilidades físicas e necessidades nutricionais. Por conta disso tem bastante gente migrando para uma alimentação natural, só que não é tão simples assim.

Eu lembro que, muitos anos atrás, quando a ração industrializada ainda estava só dando as caras por aqui, minha mãe alimentava nossa gata com sardinha crua que trazia da feira. Ela colocava numa vasilha com água porque a gatinha gostava de "pescar" a sardinha morta. Molhava a cozinha toda tentando "abater" a presa, mas por fim comia a sardinha toda satisfeita e sem engasgar com os espinhos.

Hoje eu não imagino minhas gatas com uma sardinha na boca. No máximo um peixe já "limpo" e cozido. Mas reconheço que uma comidinha caseira, bem feita, saborosa e nutritiva é imbatível tanto para nós quanto para eles. E daí vem a pergunta: mas dar o quê e em qual quantidade? Vale lembrar que vários alimentos são inclusive altamente tóxicos para os animais como a cebola e o alho, normalmente usados para temperar arroz e carnes.

E dependendo do animal, de doenças crônicas ou sazonais que ele possui, da idade e porte, a alimentação caseira tem que ser bem pensada para não piorar a saúde dele. Saiba mais sobre esse assunto acessando a matéria completa AQUI

Fátima ChuEcco
Jornalista/Escritora
www.miaubookecia.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DIA MUNDIAL DO GUARDA FLORESTAL. Vamos cumprimentar os heróis que protegem os gorilas

Na foto estão as gorilas Ndakazi e Ndeze - sim elas ficam de pé como pessoas - e alguns dos guardas florestais da República Democrátic...