domingo, 16 de setembro de 2018

Exposição “Pintando Gatos” com mais de 50 artistas na Cobasi Augusta



Mostra tem como objetivo encantar amantes dos felinos e ajudar 200 bichanos carentes

Os gatos são pura inspiração! Uma lista interminável de artistas, de todas as gerações, conviveu com esses adoráveis felinos e deixou sua paixão estampada em diversas obras como Aldemir Martins, Picasso, Matisse, Salvador Dali e Andy Warhol. A inspiração felina estará presente também na Exposição “Pintando Gatos”, de 20 a 30 de setembro, na Cobasi da Rua Augusta (SP).
  



O time de talentosos artistas que mergulhou no fantástico e sedutor universo felino inclui: Mauricio de Sousa, Laerte, Marcelo Lopes de Lopes, Clovis Vieira, João Alves, Lézio Júnior, Fernando Rodrigues, Junior Nascimento, Moacir Torres, Jal Lovetro, Vicky Von Dorff, Ocimentobento e Pryscila Vieira, dentre outros.




Os trabalhos estarão à venda para ajudar a ONG Amanimal, de SP, que tem sob seus cuidados mais de 200 gatinhos, vários deles abandonados com idade avançada, com sérios problemas de saúde e deficiências físicas https://www.amanimal-ong.com .
Mauricio de Sousa, inclusive, é um confesso apaixonado por animais, por isso, na exposição, estarão presentes desenhos do Bidu e do Mingau, personagens das consagradas histórias da Turma da Mônica e também um cenário criado para sessão de selfies. A título de curiosidade: dois cães da família do artista frequentam diariamente os Estúdios Maurício de Sousa.


O artista plástico João Alves estará retratando animais a partir da foto levada por seus tutores na exposição aos finais de semana. Ele retratou a gatinha Ághata Borralheira, protagonista do livro “Ághata Borralheira & Amigos Tocando Corações” que ganhou uma homenagem na mostra devido ao seu carisma e missão: chamar a atenção para o encanto dos gatos pretos que, infelizmente, ainda são os mais abandonados nas ruas e esquecidos nos abrigos. 

“A ideia de pintar na abertura da mostra é uma maneira de divulgar a arte. Os animais são uma fortíssima fonte de inspiração e, tecnicamente falando, exige muito conhecimento da anatomia deles, muita observação da expressão”, explica o artista que atualmente tem duas cachorrinhas, mas já teve vários gatos.

A homenagem à Ághata Borralheira inclui ainda exposição de fotos e respectivo figurino de seu livro, além da exibição de alguns de seus filminhos que fizeram grande sucesso no facebook que leva seu nome.



Vicky Von Dorff também participa da mostra já que sua especialidade é pintar gatos: “Minha avó tinha 80 gatos e cresci no meio deles. Não brincava de boneca, mas de gato. A paixão começou assim. E a inspiração veio pela liberdade, beleza, sensualidade dos gatos e pela forma de amar deles que é diferente porque é independente, mas não é menos amorosa do que a forma de um cachorro, por exemplo. Eu me inspiro muito no movimento dos meus gatos quando estão tomando sol. A companhia deles é também inspiradora, o jeito deles ficarem no nosso colo e de nos acordarem”.




A dupla Renato de Pinho e Eduardo Trova, da Ocimentobento, como o próprio nome diz, faz esculturas com cimento. Para eles “gatos são mágicos, seres de muita percepção espiritual e nós adoramos fazer os gatos em esculturas porque exigem mais elegância nas formas”. Dpos gatinhos frequentam o ateliê dos artistas e, claro, serviram de inspiração para diversas peças que farão parte da mostra.



“Sou defensora dos animais e tenho profundo respeito por quem se dedica a esta causa. Tenho três gatinhos adotados. Todos os dias seguro cada um dos meus filhotes no colo, dou um cheirinho no cangote e digo para eles: Obrinha de arte de Deus!”, conta a cartunista Pryscila Vieira, que ficou famosa com os desenhos da boneca Amely. 

“É como se eu estivesse emocionada diante de uma das sete maravilhas do mundo e pudesse vislumbrar o poder da Criação divina. Quem desenharia seres tão belos e faria de cada um deles uma poesia encantadoramente diferente? Em todo animal posso admirar a obra do Criador. Mas os gatos... ah, os gatos... como merecem admiração e amor!”, complementa.



Além desse rico cenário de cor e criatividade, os visitantes da exposição poderão conhecer, por meio de vídeo, os gatinhos da Amanimal que estão para adoção. A renda arrecadada com a venda das obras contribuirá para a construção de um abrigo com toda a estrutura necessária para dar qualidade de vida a tantos bichanos vítimas de maus-tratos e abandono que a fundadora da ONG, Doroti Bottoni, vem acolhendo ao longo da vida.



“Minha paixão por animais vem de família. Aprendi com seu pai a amar e respeitar os animais. Desde criança, por morar numa fazenda, convivi com cavalos, vacas, coelhos, cães e muitos outros animais. Com o passar do tempo fui me apaixonando pelos gatos. Hoje mantenho parte deles na minha casa e outra parte em lares temporários”, conta a protetora.


Serviço: Cobasi Augusta, Rua Augusta, 2380 – Cerqueira Cesar (SP) Fone (11) 3831-8999. De segunda a sábado das 8h às 22h e aos domingos das 8h às 20h.



Manifestação pelo fim da exportação de animais vivos




O movimento contra a exportação de animais vivos realizou na tarde de hoje, 15 de setembro, uma manifestação organizada, criativa e impactante no Monumento das Bandeiras. Usando camisetas brancas e gorros imitando a cabeça de bovinos, os ativistas pediam o fim do embarque de bois pelos portos do Brasil por meio de cartazes, faixas e peças artesanais como um navio feito de papelão. Também fizeram um cordão humano em torno da Assembleia Legislativa de SP (Alesp) – há dois meses palco de batalha pela aprovação do PL 31 ou PL dos Bois, do deputado estadual Feliciano Filho (PRP).



Embora o PL 31 tenha recebido apoio da maior parte dos deputados, o presidente da Alesp, Cauê Macris, ainda não pautou o projeto para ser votado. No porto de São Sebastião, litoral norte de SP, milhares de bois estão embarcando em navios rumo a países como a Turquia. A longa viagem, que pode durar até 20 dias, mergulha os animais num ambiente de dor física e psicológica.  Falta espaço, comida, água, e até ar. O forte cheiro de amônia, decorrente do acúmulo de fezes, vômito e urina de milhares desses animais confinados num navio, provoca também sérios problemas nos olhos.



O cenário é coroado de doenças e pânico. Este ano pelo menos três bois já saltaram de navios atracados em São Sebastião para escapar da morte e um deles gerou comoção nacional e internacional ao atravessar um mar gelado por cerca de seis horas. Infelizmente todos foram reembarcados. A luta pelo fim da exportação de animais vivos é internacional. Em Israel tramita projeto de lei para banir tal prática e na Austrália ativistas já conseguiram cancelar as operações de uma das maiores transportadoras de animais por via marítima.



segunda-feira, 10 de setembro de 2018

CONEXÃO ENTRE MATADORES DE ANIMAIS HUMANOS E NÃO-HUMANOS




Cerca de 40 mil crianças desparecerem todos os anos no Brasil sendo que 20% jamais são encontradas. Ao mesmo tempo vemos casos de animais mutilados, enforcados e com vísceras arrancadas, dentre outras barbáries.E o que uma coisa tem a ver com a outra? 

Estudos feitos pelo FBI chegaram à conclusão que a maior parte dos matadores em série (conhecidos como serial killers), entre 85% e 90%, torturam e matam animais antes de migrarem para vítimas humanas.

Os torturadores de animais estão nos graus mais elevados dessa escala. Informe-se e ajude a salvar vidas humanas e não-humanas.
Informe-se e ajude a salvar vidas humanas e não-humanas. E se você teve alguma experiência dentro desse tema, como vítima ou profissional envolvido no caso, participe do livro "Matadores de Animais - Assim começa a carreira de um serial killer".
Leia a matéria completa em 
 https://www.anda.jor.br/2018/09/conexao-entre-matadores-de-animais-humanos-e-nao-humanos/

TEXTO: Fátima ChEcco, jornalista profissional MTB 21.012 - texto protegido por direitos autorais pode ser compartilhado/divulgado à vontade porque isso é LEGAL. Mas não pode ser comercializado/patrocinado em portais na íntegra ou em partes por ser ILEGAL.

ESTRANHAS MANIAS FELINAS

“Daqui não saio, daqui ninguém me tira”. A frase, que é muito popular no Brasil, se encaixa direitinho em algumas situações protago...