sexta-feira, 4 de maio de 2018

EVOLUÇÃO É MUITO MAIS QUE VEGANISMO



 


Deixar de comer animais é só um passo da evolução.
Deixar de comer vida (inclusive a vegetal) é o passo seguinte.
Mas a humanidade está nesse ponto?
Vejo com frequência grupos que amam animais trocando ofensas... uns porque defendem cães e gatos e outros (geralmente vegans) porque não admitem que se defenda animais domésticos e não os de consumo.

Mas... veganismo é o caminho, não o destino.
Tudo depende de um processo evolutivo que passa pelos campos biológico, cultural e emocional do ser humano... e isso leva muitos anos. Tempo suficiente pra nenhum de nós estar mais aqui. E no caso do planeta Terra há ainda um agravante nesse processo: humanos e outros animais estão em estágios evolutivos muito diferentes, o que contribui drasticamente para  a escravidão, o abuso e crueldades, sendo que os mais fortes dominam os mais fracos.


E os próprios humanos tb se encontram em estágios evolutivos diferentes.
Então... o processo fica mais longo e penoso porque mesmo aquele que planta sementes do bem, da igualdade, desperdiça muita energia lutando contra os que estão num estágio mais atrasado que pode ser entendido como “menos ético”.

Porque amamos uns e comemos outros?

Existe uma razão clara para que a grande maioria das pessoas que ama cães e gatos, coma galinha, vacas, porcos e uma infinidade de bichos.
CONVIVÊNCIA.

E é no convívio próximo com outras espécies (e me refiro ao convívio dentro de casa) que são gerados afetividade, compaixão, amizade, companheirismo, proteção mútua e uma série de outros bons sentimentos. E somado a isso tem ainda o avanço da comunicação entre espécies distintas. Todo mundo que vive com cães e gatos aprende, pelos sons que eles emitem, o que querem, o que os incomoda, o que os faz feliz etc. Mesma coisa no sentido inverso: eles tb passam a entender muitas de nossas palavras, intenções, expressões, gestos etc.



A convivência estabelece uma relação em que o outro deixa de ser inimigo, perigo e muito menos comida.  É por isso que animais selvagens criados com humanos nãos os atacam (salvo situações de extremo estresse – mas isso tb ocorre entre humanos, ou seja, vemos o tempo todo filhos matando pais, crimes passionais, psicopatias de alto nível e um desfiladeiro de violência de caráter humano). 



Então creio que a frase “Porque amamos uns e comemos outros?” tem a seguinte resposta: porque não convivemos de forma próxima com todas as espécies. Defendemos com mais facilidade os animais que vivem conosco sob o mesmo teto. E isso vale pra todos os bichos: inimigos naturais viram amigos, assim, gatos podem conviver com pássaros, cães com gatos... olha... até cobras com ratos se forem 
criados juntos.



Alimento artificial

Veja bem: convivência é a resposta, não a solução. O ideal seria aprendermos a respeitar todo tipo de vida, independente da convivência, incluindo a vegetal, pois, já há pesquisas que mostram que as plantas tem sim um princípio de inteligência e emoções, mas se vc diz isso pra um vegan ele dá risada... aliás, a mesma risada irônica que um apreciador de carne dá quando vc diz que animal pensa, sente dor e tem sentimentos. 


Lá na frente, num futuro que poucos podem imaginar, a alimentação será totalmente diferente da de hoje, provavelmente obtida de forma artificial.
Enquanto esse dia não chega, vale a pena comemorar cada pequena evolução. ASSIM:

Ótimo que não comam cães e gatos em boa parte do mundo. Ótimo que seja proibido caçar tartarugas e onças pintadas. Ótimo que não matem mais animais em muitos  CCZs. Ótimo que estão protegendo elefantes e ursos. Ótimo que tem gente lutando pelos macacos. Ótimo que tem cada vez mais opções sem carne nas prateleiras. Tudo isso faz parte de um processo. Cada avanço tem que ser valorizado e não criticado porque não engloba vaca, boi, galinha e porco. A gente chega lá.


Qualquer hora deixarão de comer coelhos. Depois galinhas, mais adiante bois. Uma hora não permitirão vivissecção... e assim por diante. Ninguém vai conseguir acabar com  o consumo de carne criticando os avanços que se teve até hoje. Cada animal, seja doméstico, selvagem ou silvestre que vai ganhando respeito (e leis de proteção) contribui para a libertação dos animais usados para o consumo humano. Uma coisa vai puxando a outra.

Caminho, não destino

Acho ótimas as campanhas que procuram motivar o vegetarianismo ou o veganismo... mas repito, esse é só um caminho, não o destino.

A maioria dos vegans e dos protetores de animais vegetarianos, alimentam seus cães e gatos com ração de carne. Se vc vê um animal esfomeado na rua, pele e osso, não vai dar pra ele um maço de  alface.
Portanto, ninguém tem como se declarar “limpo” do consumo de carne. 


A Terra está num estágio em que vida se alimenta de vida, portanto, ainda é bem "involuída". Isso está diminuindo e é bem provável que um dia acabe. Mas por enquanto é sim importante uns defenderem cães e gatos, outros bois e galinhas, outros coelhinhos,  outros golfinhos e baleias, outros  cobras e lagartos, outros ratinhos de laboratório... porque todas essas lutam convergem para um mesmo destino, só que por diferentes caminhos.


Nota final:
Muita gente se sente especialmente evoluída porque deixou de comer carne. E ainda por cima ataca quem defende outros animais (domésticos ou selvagens) porque acha que ou se defende todos ou não se defende nenhum. É mais ou menos como chegar num ativista pelos direitos dos gays e dizer: "Por que vc não defende os idosos e as crianças? Não é tudo gente?". Lutas distintas convergem para um mesmo objetivo quando as pessoas se unem. Ativistas pelos animais, vegans ou não, deveriam ter em mente que cada animal que ganha respeito e direitos contribui para a libertação de outras espécies. Evolução é um processo e veganismo é só um dos caminhos, mas não o destino. 
O que meu artigo procura expor é que é excelente que tem gente que luta pelos elefantes, outros pelos lobos, outros pelas araras, outros pelas galinhas, outros pelos animais de laboratório. O objetivo é unico (liberdade, ética etc), mas as lutas precisam ser segmentadas e devem ser respeitadas, especialmente, pelos ativistas q defendem os animais usados como comida. Digo isso pq é muito comum ver protetores de cães e gatos sendo atacados pq não estão defendendo vacas. E tem mais: conheço varios vegans que embora lutem pela libertação animal, nada fazem pelo proximo... são pessoas egoistas, q não ajudam ninguem. Evolução é todo um contexto e não só o fato de deixar de comer carne... aliás, deixar de comer carne é a parte mais fácil. Fátima Chuecco

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Lambida de cachorro não mata e até faz bem pra saúde

Vários jornais nacionais e internacionais noticiaram o caso de um homem que teria perdido parte das pernas, dedos e rosto devido a uma lambida de seu cachorro na região de um arranhão. De fato, o britânico Jaco Nel sofreu uma forte infecção denominada septicemia, mas a culpa não foi de seu cão que estava apenas demonstrando carinho ao lamber-lhe a mão.
Por conta de uma notícia irresponsável como essa, muitos cães podem estar indo parar no olho da rua. Outros devem estar apanhando toda vez que tentam brincar e lamber seus tutores e crianças como forma de expressar afeto. As pessoas foram alarmadas indevidamente. Entenda sobre a doença, como se contrai e beije hoje mesmo seu cachorro!
Acesse a notícia em 

terça-feira, 1 de maio de 2018

Punição inédita, coletiva e exemplar para quem maltrata e mata animais




Foi o que aconteceu esse mês no Pará, numa sentença inédita no Brasil em favor dos animais, com a condenação do ex-prefeito da cidade de Santa Cruz do Arari, Marcelo José Beltrão Pamplona, a 20 anos de prisão e multa de R$ 1, 7 milhão. Outros seis envolvidos no massacre de cerca de 400 cães em situação de rua, incluindo o secretário de Transportes, dois funcionários da prefeitura, dois laçadores dos cães e o dono de uma das embarcações que levou os animais até uma ilha para morrerem, também receberam condenação entre 1 e 2 anos de cadeia mais multa.

Além disso, “todos perderam a função pública em qualquer esfera da administração pública, ou a qualquer título, eleito ou concursado, tendo em vista que os crimes praticados foram no exercício de função pública e no interior da administração pública, inclusive com o uso de bens públicos”, conforme definiu a sentença do o juiz Leonel Figueiredo Cavalcanti. Ele caracterizou os envolvidos como “detentores de personalidades reprováveis, por serem pessoas frias, calculistas e insensíveis ao sofrimento de indefesos animais diante da supremacia da espécie humana”.



O episódio, que ficou conhecido como “O Massacre de Arari”, ocorrido em 2013, teve repercussão internacional. Fotografias e vídeos entregues ao Ministério Público mostraram os cães sendo laçados e arrastados pelas ruas, ocasionando fraturas e diversos ferimentos. Eles foram estocados nos porões de duas embarcações (sendo uma da prefeitura) e depois jogados no Rio Monções para morrerem afogados. Outros foram deixados na Ilha do Francês onde não havia meios de sobreviverem.

O resultado dessa denúncia criminal apresentada à Justiça pelo Ministério Público do Pará (MPPA) deve entrar para a história da causa animal no Brasil como entrou recentemente também a condenação da “matadora de animais de SP”, Dalva Lina (Caso Dalva), a 17 anos de prisão. Além de ser condenado pelo “canicídio”, o ex-prefeito de Santa Cruz foi também punido por tentativa de obstrução das investigações, com agressões e intimidação de testemunhas.



Na ocasião, cerca de 80 cães, em estado lamentável, puderam ser resgatados da Ilha por protetores do Pará e de SP. Para tanto, foram alugados barcos de pequeno e médio porte. As fotos rodaram o mundo. Alguns desses cães, no entanto, já em pele e osso, não resistiram. Os que sobraram ficaram com a ONG Au Family, de Belém do Pará. O problema com os animais em situação de rua é bastante crônico e sério no Pará. Dos 144 municípios, apenas 5 possuem Centro de Controle de Zoonoses com capacidade para castrações. O controle populacional via castração em massas poderia ter evitado tamanha crueldade.
FOTOS: dos resgates por barco

Lei mais na matéria da ANDA 





ESTRANHAS MANIAS FELINAS

“Daqui não saio, daqui ninguém me tira”. A frase, que é muito popular no Brasil, se encaixa direitinho em algumas situações protago...