quinta-feira, 24 de agosto de 2023

Super Noopy ilustra bem o Dia Mundial do Cachorro (26 de agosto) tamanha sua alegria


Basta olhar mais atentamente para as fotos e vídeos do Super Noopy para perceber que ele parece estar rindo o tempo todo, especialmente quando ganha as ruas para um passeio. A alegria desse cãozinho que anda apenas com as patas traseiras é realmente contagiante. 

Por isso, nada mais justo ele ser a estrela do Dia Mundial do Cachorro comemorado em 26 de agosto. Além disso, esse sorridente cãozinho tem uma rede social de tirar o chapéu. São 538 mil seguidores no Facebook, 303 mil no Tik Tok e 211 mil no Instagram.


Super Noopy nasceu com atrofia nas pernas dianteiras e foi adotado pela Polly Mayer, de SP, quando já tinha seis anos de idade:

"Quando o adotei ele já andava de pé e me foi informado que ele aprendeu a andar sobre as patas traseiras sozinho. Ninguém o treinou. Foi uma adaptação natural desde novinho, com um ano de idade".

Hoje, aos 9 anos, além de ter se tornado um "ás" sobre duas patas, o Super Noopy conserva uma alma de criança. Polly conta que ele tem muita energia e é bagunceiro. Passeia três vezes por dia e frequenta creche duas vezes por semana. 


Ele se dá bem com os demais animais da casa desde que seja ele quem dê a última palavra, ops... latido.

"Ele é marrento, gosta de mandar, mas só fica bravo mesmo quando os outros animais sobem na cama dele". diz Polly.

A rotina do Super Noopy inclui, religiosamente, tomar sol pela manhã. Ele exige seu lugar ao sol. E recentemente descobriu uma maneira de garantir também seu lugar na cama da tutora:

"Por volta das três da manhã ele chega latindo bem baixinho, mas num tom suficiente para eu ouvir, acordar e, meio sonolenta, deixar ele dormir de conchinha comigo".


Além de tomar sol e passear, Super Noopy ama de paixão comer... comer de tudo e especialmente pão e banana. Por isso ele fica de prontidão do lado de qualquer pessoa que esteja comendo algo na esperança de ganhar algum "pedacinho". E, claro, quem tem coragem de negar qualquer coisa que seja para esse cão que anda como gente e conquista corações em poucos segundos?

Entrevista e Texto: Fátima Chu🌎Ecco, jornalista e escritora, consultora da @BuscaCats 😻e fundadora do editora www.miaubookecia.com  🐶🐱


QUANDO NÃO FAZER NADA É A MELHOR COISA A SER FEITA





Quantas vezes a gente não se debate como um pássaro na gaiola em busca de uma solução que não virá... pelo menos não já? Mesmo assim, o pobre pássaro tenta em vão romper barreiras além de seu controle. Muita gente confunde PACIÊNCIA com PASSIVIDADE...  e DISTANCIAMENTO com DESISTÊNCIA. Mas a verdade é que ter paciência significa se dedicar a outras atividades enquanto aquela que vc teima em realizar não está fluindo ou... buscar outra inspiração e deixar, por hora, seu antigo sonho em segundo plano. Agir pode ser, no momento, a forma mais desastrosa de afundar um barco que ainda poderia desbravar um oceano inteiro... mais adiante.

A impaciência é perigosa. Pode drenar nossa energia e levar a sorte ou oportunidade embora. “Ter paciência não se trata de desistir dos objetivos, mas perceber que é possível avançar na direção deles enquanto cuida de outros aspectos da vida”, diz a obra“Toda a Sorte do Mundo”, de Theresa Cheung...  que virou meu livro de cabeceira há algum tempo. Muitos problemas se solucionam sozinhos quando aprendemos a nos distanciar deles. Para tomar  decisões sensatas é importante deixar passar um tempinho para que o calor da emoção esfrie e não termine por queimar nossos neurônios e raciocínio. O estresse impede que as pessoas pensem direito.

Algumas vezes vale mergulhar de cabeça no exato instante em que algo que vc deseja está ao seu alcance, mas noutras ocasiões o melhor é recuar e se distanciar por algum tempo. O livro sugere que quando relaxamos escutamos nossa voz interior com maior nitidez e temos mais chance de enxergar os caminhos mais claramente. Esse distanciamento pode incluir uma viagem sozinha (o) por uma estrada vazia.  ÀS VEZES É NO MEIO DO NADA QUE A GENTE SE ACHA.  Tem uma música antiga do Titãs q diz assim: “As respostas estão no chão, vc tropeça e acha solução”. Por isso que inúmeras vezes TUDO QUE SE TEM A FAZER É NÃO FAZER NADA.

Minhas reflexões a respeito de trechos do livro Toda a Sorte do Mundo 
Fátima Chuecco, jornalista e escritora
Texto de 2013


segunda-feira, 21 de agosto de 2023

Obras de arte da natureza prontas para adoção e em belíssimas fotos


Nina, Pitty, Vaquinha e Bonny nasceram no apartamento do fotógrafo Michael Hans. A mãe já tinha sido acolhida e em seguida vieram os filhotes. A especialidade de Hans é retrato e fotoarte sensual, mas ele faz muitas imagens lindas dos gatos que cruzam seu caminho e alguns das redondezas onde mora, em São José do Rio Preto, no Interior de SP.

Quanto aos quatro gatinhos que agora estão com dois meses, o fotógrafo está doando e o contato é seu facebook que pode ser acessado clicando AQUI

"Eles já comem ração, usam caixa de areia e reagem ao nome. O Vaquinha já vem quando não está brincando com as irmãs. Todos sem parasitas ou outro problema de saúde. Estão na fase de mudança de cor dos olhos. Sapatos são vitimas preferidas deles e os chinelos eles arrastram um, só um, para algum outro lugar, tipo para baixo do sofá. Devem ficar rindo quando ando pela casa procurando rsrs", conta.

Aliás, outras fotos belíssimas de animais de Hans já fizeram parte da matéria "Os gatos são muito expressivos e até Darwin notou isso" nesse blog. Acesse AQUI para ver.

No facebook Hans também conta as peripécias do quarteto por meio de fotos. Confira algumas:






Texto: Fátima Chu🌎Ecco, jornalista e escritora, consultora da @BuscaCats 😻e fundadora da Editora www.miaubookecia 🐶🐱



sexta-feira, 18 de agosto de 2023

Curso Auxiliar Veterinário pode ser bem interessante para protetores de animais


Quem tem um bichinho sabe como custa caro manter sua saúde em dia. Mas quem tem vários animais resgatados muitas vezes entra em desespero porque nem sempre é possível recorrer a um hospital veterinário público. Além disso, alguns procedimentos mais simples como curativos e medição da temperatura poderiam ser realizados pelo próprio tutor, isto é, se ele estivesse treinado para isso.

Por isso, um curso de Auxiliar Veterinário pode ser uma opção bem interessante para que o protetor de animais ou tutor de vários cães e gatos possa ter uma renda e, ao mesmo tempo, dar uma assistência emergencial ou atendimento médico mais rotineiro para seus bichinhos.

Na Doctors Clínica a parte prática do curso é realizada com os pacientes "reais" do próprio consultório ou com os bichinhos dos alunos que estiverem necessitados de atendimento médico.

Tem uma turma começando no dia 19 de setembro com inscrições até o dia 10, com duração de 6 meses. Mais informações abaixo:





Foto de abertura: Pixabay Free

segunda-feira, 14 de agosto de 2023

“Penso, Logo, Mio e Existo” - Descartando Descartes


                       
"Penso, Logo, Mio e Existo" é uma adaptação bem-humorada que fiz da frase do francês René Descartes “Cogito, ergo sum” e que ficou mundialmente famosa como “Penso, logo existo”. Descartes afirmava que apenas os seres humanos podiam pensar, então procurei  "atualizar" a clássica frase dizendo que os gatos também pensam (e obviamente outros animais), ao contrário do que o filósofo pregou e que foi aceito por grande parte da sociedade e de pesquisadores de seu tempo.

Descartes (1596 a 1650) chegou a essa conclusão argumentando sobre a capacidade de ter dúvidas. Para ele, as dúvidas eram a maior prova da existência do pensamento. Logo, se os seres humanos eram os únicos que tinham dúvidas e podiam pensar é porque existiam e o restante das criaturas vivas eram apenas máquinas que respiravam. 
Em sua visão os animais não tinham alma, não podiam pensar nem sentir dor e, portanto, não era errado usá-los como cobaias. Infelizmente, mais de 300 anos depois, esse argumento ainda sustenta milhares de experimentos dolorosos com cobaias  https://www.significados.com.br/penso-logo-existo/

Hoje a própria Ciência admite (e seria um fiasco não admitir) que os animais são "sencientes", ou seja, sentem dor física e psicológica, ficam alegres, tristes, com raiva, medo e que expressam inúmeros sentimentos e emoções de forma gestual, facial e por meio de uma linguagem própria. Mas essa mesma Ciência, no entanto, não acredita que isso seja motivo suficiente para abandonar o uso de cobaias. 

Admitir que os animais pensam é também ainda um tabu fora da sociedade científica! Muitos protetores e amantes de animais ainda se sentem desconfortáveis em admitir que os animais pensam ainda que numa escala diferente da nossa, mas de acordo com suas necessidades e o ambiente em que vivem. É um exercício mental quase tão difícil quanto aquele, tempos atrás, de imaginar que a Terra era redonda e não plana. Ainda há muita resistência nesse campo. Mas convido para uma reflexão:
Onde nasce o sentimento? Da onde brotam as emoções?
Não seria do pensamento? 
É impossível desconectar sentimento de pensamento, pois, sentimento é o resultado de um pensamento que formulamos sobre situações e experiências que assistimos ou que vivemos. Um depende do outro. Um não existe sem o outro.

FOTOLIVRO
“Penso, Logo, Mio e Existo” - Como diriam os gatos se pudessem miar na nossa língua 

Seu gatinho que pensa, mia e, portanto, existe e tem alma, pode ser o protagonista de um Fotolivro de luxo que fala um pouco da "filosofia felina". Seu bichano pode ilustrar a capa e páginas internas.  Parte da renda vai para ONGs de Proteção Animal. 
Veja como participar do Fotolivro "Penso, Logo Mio e  Existo" acessando o site 
 www.miaubookecia.com    

    Dianna assistindo desenho na TV - do Fotolivro "Penso, Logo, Mio e Existo"

Descartando Descartes

Mais de 100 anos depois, outro filósofo francês, François Marie Arouet, conhecido como Voltaire, dedicou uma parte de seu “Dicionário Filosófico” (1764) para rebater os argumentos de Descartes http://animaiseoespiritismo.blogspot.com/2011/04/carta-de-voltaire-descartes.html:

"Que ingenuidade, que pobreza de espírito, dizer que os animais são máquinas privadas de conhecimento e sentimento, que procedem sempre da mesma maneira, que nada aprendem, nada aperfeiçoam! 
Será porque falo que julgas que tenho sentimento, memória, ideias? Pois bem, calo-me. Vês-me entrar em casa aflito, procurar um papel com inquietude, abrir a escrivaninha, onde me lembro tê-lo guardado, encontrá-lo, lê-lo com alegria. Percebes que experimentei os sentimentos de aflição e prazer, que tenho memória e conhecimento...
Vê com os mesmos olhos esse cão que perdeu o amo e procura-o por toda parte com ganidos dolorosos, entra em casa agitado, inquieto, desce e sobe e vai de aposento em aposento e enfim encontra no gabinete o ente amado, a quem manifesta sua alegria pela ternura dos ladridos, com saltos e carícias. 
Bárbaros agarram esse cão, que tão prodigiosamente vence o homem em amizade, pregam-no em cima de uma mesa e dissecam-no vivo para mostrarem-te suas veias mesentéricas. 
Descobres nele todos os mesmos órgãos de sentimentos de que te gabas. Responde-me maquinista, teria a natureza entrosado nesse animal todos os órgãos do sentimento sem objetivo algum? Terá nervos para ser insensível? Não inquines à natureza tão impertinente contradição."

                                Rebecca Selvagem lendo jornal - Do Fotolivro "Penso, Logo, Mio e Existo"

Foi de fato um discurso muito convincente e comprovável. Teve lá seus adeptos naquela época e tem até hoje, mas já era tarde. A sociedade científica já tinha se dado o direito de “fazer qualquer animal sofrer”. Paralelo a isso, a sociedade em geral também já tinha assimilado a ideia de que só o ser humano é capaz de pensar e isso perpetuou a escravidão e a tortura de qualquer outra criatura viva. 
Já era tarde para Descartar os argumentos de Descartes.
“Animais têm suas faculdades organizadas como nós, recebem a vida como nós e a geram da mesma maneira. Eles iniciam o movimento da mesma forma e comunicam-no. Eles têm sentidos, sensações, ideias e memórias. Animais não são totalmente sem razão. Eles possuem uma proporcional acuidade de sentidos” - Lettres de Memmius à Cicéron  (Cartas de Gaius Memmius a Cícero) em 1772.

Assim...
Descartes assinalou a dúvida como a maior prova da existência do pensamento, mas apenas em humanos. Voltaire, por sua vez, apontou que as memórias e os sentimentos estão presentes também nos demais animais. Outros cientistas e pesquisadores continuaram falando da inteligência dos animais.



"Penso, Logo, Mio e Existo" por Charles Darwin 

Charles Darwin, aliás, escreveu que os gatos são alguns dos animais mais expressivos. 

"Os gatos usam muito a voz como meio de expressão, e emitem, sob várias circunstâncias e emoções, pelo menos seis ou sete sons diferentes. Ações de todos os tipos, acompanhando regularmente algum estado de espírito, são de pronto reconhecidas como expressivas. Podem consistir de movimento de qualquer parte do corpo, como o abano da causa de um cão, o encolhimento dos ombros de um homem, o eriçamento de pelos, a exsudação de suor, o estado da circulação capilar, a respiração forçada e o uso de sons vocais ou produzidos por algum instrumento"

E acrescentou: "Até os insetos exprimem raiva, terror, ciúme e amor com sua estridulação" Charles Darwin, do livro "A expressão das emoções no homem e nos animais" http://jornalistafatima.blogspot.com/2013/07/os-gatos-sao-alguns-dos-animais-mais.html

"Penso, Logo, Mio, Existo e... Tenho Alma"



Allan Kardec, considerado pai do Espiritismo, afirmou que os animais também têm alma, entre outras coisas, no "Livro dos Espíritos" publicado em 1857, ou seja, 200 anos após os argumentos de Descartes. Um pequeno trecho:  

"Pois se os animais têm uma inteligência que lhes dá uma certa liberdade de ação, há neles um princípio independente da matéria? Sim, e que sobrevive ao corpo. Esse princípio é uma alma semelhante à do homem? É também uma alma, se o quiserdes: isso depende do sentido em que se tome a palavra; mas é inferior à do homem. Há, entre a alma dos animais e a do homem, tanta distância quanto entre a alma do homem e Deus". 

Veja na íntegra o que diz o Livro dos Espíritos sobre os animais:

https://livrodosespiritos.wordpress.com/mundo-dos-espiritos/cap-11-os-tres-reinos/ii-os-animais-e-o-homem/

Mas era só o princípio. Inúmeros outros livros espíritas aprimoraram a questão da alma dos animais depois de Kardec como os escritos por Ernesto Bozzano e Marcel Benedeti que vale a pena consultar.

                                          Capa "modelo" do Fotolivro "Penso, Logo, Mio e Existo"

                                        Ághata Borralheira em uma das páginas do Fotolivro

Matéria de:
Fátima ChuEcco 
Jornalista ambientalista, atuante na causa animal, escritora e apaixonada por gatos
Autora dos livros:
MI-AU Book - Um livro pet-solidário
MI-AU Book & Cia
Ághata Borralheira & Amigos Tocando Corações
Encontrando Rebecca Selvagem - Uma busca intensa e cheia de fé
Penso, Logo, Mio e Existo


Artigo com Direitos Autorais: Fátima ChEcco, jornalista profissional MTB 21.012 - texto protegido por direitos autorais pode ser compartilhado/divulgado à vontade citando a autora porque isso é LEGAL. Mas não pode ser comercializado/patrocinado em portais na íntegra ou em partes sem citar a autoria por ser ILEGAL.







quinta-feira, 10 de agosto de 2023

A Amizade é Tudo na série "The Last Kingdom" da Netflix. Ou será que o Destino é Tudo?!



Eu me encantei com a série "The Last Kingdom", da Netflix, apesar de não gostar de filmes muito violentos. Todos sabem: filme sobre Vikings é sempre um festival de cabeças rolando porque na Era Viking os homens praticamente viviam para matar e morrer. Cortar pescoços era hábito tanto de pagãos quanto de cristãos.

Mas nessa série baseada nas "Crônicas Saxônicas" de Bernard Cornwell, que conta a vida do guerreiro Uhtred Ragnarsson, nascido em lar saxão/cristão, mas criado entre pagãos, o que mais me chamou a atenção e fez assistir cinco temporadas foi a AMIZADE entre os personagens. Eles se protegem mutuamente de uma forma tão intensa (e linda de ver) que é impossível a gente não se envolver emocionalmente.

Friendship is everything: Uhtred, Finan and Sihtric

O último capítulo, curiosamente, foi extraído para um formato de longa-metragem chamado "The Last Kingdom - Seven Kings Must Die"  (O Último Reino - Sete Reis Devem Morrer) permitindo que mesmo quem não acompanhou a série assistisse. E foi isso que aconteceu comigo.

Vi primeiro, por curiosidade, o longa-metragem assim que entrou como lançamento na Netflix em julho passado. E fiquei tão apaixonada pelo Uhtred (como certamente milhões de pessoas ficaram) que resolvi assistir a série. Devorei cada capítulo fechando os olhos nas cenas mais bárbaras.


Depois de ver as cinco temporadas, revi o capítulo final que teve então um sabor muito mais especial porque daí já sabia quem era quem na trama. Fiquei muito feliz que Uhtred (Alexander Dreymon) e seus dois mais fiéis amigos Finan ou O Irlandês ( Mark Rowley) e Sihtric (Arnas Fedaravicius) chegaram juntos as cenas finais. 


Friendship is everything: Finan, Uhtred and Sihtric

E a última cena do último capítulo (Seven Kings Must Die) foi simplesmente MARAVILHOSA porque pude entender, vendo o filme pela segunda vez, o que se passou com Uhtred e o que significava a cena derradeira.

Uhtred passa por muitas conquistas e perdas. Ele inicia cada capítulo dizendo a frase na qual ele mais acredita: Fate is Everything ou "O Destino é Tudo!". Isso porque, muitas vezes, por mais que ele se esforce as coisas não saem como ele deseja. Noutras ocasiões a solução cai em suas mãos inesperadamente.

Mas todo o roteiro da série, mesmo que não tenha sido intenção do autor ou do diretor, reforça que na verdade "A Amizade é Tudo"  "Friendship is everything" e ela molda muito do nosso destino.

Uhtred e a religiosa Hild (Eva Birthistle)


Friendship is everything: Uhtred and Beocca (Ian Hart)

Tinha Gatos na Era Viking?


Pintura de Chris Nolan

Sim!!! É o que revelou uma pesquisa de 2016 do Instituto francês Jacques Morod  ao encontrar vários esqueletos de gatos em vilas vikings e também em portos usados  pelos guerreiros da época. Os gatos certamente protegiam as colheitas dos ratos, possivelmente eram levados em navios maiores para proteger suplementos, mas também deviam habitar as tendas dos vikings. Gatos peludos talvez virassem casacos peludos.


Por ser um estudo relativamente recente não vamos ver gatinhos circulando pelos cenários dos filmes que tratam dos vikings. Vamos ver cavalos, porcos, javalis, carneiros, cabras, galinhas e muito raramente um cachorro ou outro. Gato nunca.

Porém, uma das deusas mais apreciadas pelos vikings foi a Freija (Freya) que usava carruagem puxada por dois gatos grandes. Era a deusa da fertilidade, da cura e recomendava que as noivas acariciassem um gato para ter sorte no casamento. 


Ou seja, tinha gato vivendo entre os vikings. Tomara que os próximos filmes retratem isso!

Eu exploro melhor esse assunto na matéria "Se hoje você tem um gato amado em casa... agradeças aos vikings" acessando AQUI

Alexandre Dreymon e gatinha do set de filmagem

Alexandre Dreymon, que interpreta Uhtred, tem em seu instagram um post/video de uma gatinha que apareceu no set de filmagem. 

Vejam o post clicando AQUI e o que ele diz sobre a gatinha logo abaixo:

 “CC é a mascote do nosso set. Ela era uma vagabunda mas agora ela faz parte da família TLK (The Last Kingdom). Ela gosta de dormir... abraçar... abraçar enquanto ela dorme... e dormir sendo abraçada. Ela finge estar apaixonada por mim, mas sério, qualquer colo serve. Se você assistir a 5ª temporada com cuidado, poderá vê-la desmaiada em algum lugar no final de uma cena".

Alexander Uhtred, PLEASE... ✋✋✋

Where can we, the gateiras of Brazil, see this kitten? Which season five chapter? Was she adopted?

Onde nós, gateiras do Brasil, podemos ver essa gatinha? Qual capítulo da quinta temporada? Ela foi adotada?

Fotos: Divulgação

Texto e Pesquisa: Fátima Chu🌎Ecco, jornalista e escritora, consultora da @buscacats e fundadora da Editora www.miaubookecia.com





terça-feira, 8 de agosto de 2023

DIA INTERNACIONAL DO GATO - 8 de AGOSTO




O Dia Internacional do Gato é celebrado em 8 de agosto desde 2002 e foi definido pela International Fund for Animal Welfare (Fundo Internacional Para o Bem-Estar Animal). Um bom momento para refletirmos sobre o comportamento felino e derrubarmos certos mitos, além de compreender melhor o estilo de vida dos gatos ... sim... porque como já dizia Charles Bukowski,  “estilo é a resposta para tudo... eu já vi cães com mais estilo que homens... gatos têm em abundância”.
Mitos:


1) “Todo  gato caça passarinho e rato”
Muitos gatos não caçam, outros pegam passarinhos e ratos, mas não machucam e outros pegam e matam. Depende da personalidade de cada um. Da mesma forma, nem todo cão detesta gato, alguns não ligam para os gatos e outros os atacam. Os animais mais evoluídos não têm comportamento padrão. No entanto, ratos fogem de gatos instintivamente. Por isso, basta ter um gato na casa para os ratos se mandarem. Basta ter uma caixinha com areia de gato usada para os ratos procurarem outro lugar para viver.

2) “Gato gosta da casa e não do dono”

Uma das maiores inverdades já espalhadas. Os gatos amam e acompanham seus tutores. Quem tem gato sabe disso e quem nunca teve deveria ficar quieto.

3) “Gato que não faz suas necessidades na areia é mal-educado”

Todo gato instintivamente, desde pequeno, procura a caixa de areia ou o jardim de uma casa para fazer xixi e coco. Atentos a sua higiene pessoal, eles cobrem tudo. Quando fazem fora da caixinha é porque ela já está suja demais, com pouca areia, perto da comida ou porque eles estão com algum problema de saúde e querem chamar a atenção para isso



4) “Gato dorme de dia e fica atento à noite”

Depende da personalidade do gato e costumes da casa onde vive. Em geral, gatos dormem junto com seus tutores e acordam com eles. Alguns, geralmente mais jovenzinhos, continuam brincando à noite, mas a tendência é se ajustarem aos costumes dos tutores e dormirem a noite toda. Claro que isso não vale para gato de rua.

5) “Gato é traiçoeiro”

Inverdade sem qualquer fundamento. Gatos amam e defendem seus tutores. São carinhosos e companheiros, com exceção de um ou outro que já esteja muito traumatizado ou tenha se mantido selvagem, mas ainda assim o termo traição não se aplica. Algumas pessoas passam a mão onde alguns gatos não gostam como na barriga deles e, se são levemente arranhadas por isso dizem que o gato é traiçoeiro. Se eu enfiar o dedo no ouvido de uma pessoa e ela der instintivamente um tapa na minha mão posso dizer que ela é traiçoeira?



6) “Gato absorve energia negativa”

Na verdade, gatos absorvem e dissipam energia eletrostática de aparelhos elétricos e eletrônicos e de seus tutores se estiverem "carregados" dessa energia e, normalmente, todo mundo que passa o dia na frente de um computador tem bastante energia eletrostática acumulada no corpo. Nesse caso é ótimo ter um bichano no colo ou para dividir a cama. É uma limpeza natural do corpo e ambiente. É por isso que gatos dormem sobre impressoras, modens, TVs e tudo que for quentinho e estiver ligado na eletricidade.

 7) “Gato é frio, distante e independente”

Independência está presente em muitos gatos, mas isso não quer dizer que são frios e distantes. Muitos gatos fazem valer sua vontade deixando, por exemplo, de comer uma ração que não apreciam e não aceitando a imposição de uma caminha ou lugar para dormir. Mas esse comportamento não tem nada a ver com frieza e sim com vontade própria.



 8) “Gato detesta água”

A maioria não gosta de banho e chuva, mas há cada vez mais exceções. No entanto, vale lembrar que não há necessidade de dar banho em gato, principalmente, se ele não sai de casa. Eles mesmos se banham e precisam fazer isso. Pote com água para beber é essencial, mas eles preferem água corrente, saindo da torneira ou de uma fonte.

 9) “Gato transmite toxoplasmose”

Em casos raríssimos, pois, a mais comum forma de pegar essa doença é ingerindo carne mal-passada. Nem todo gato tem a bactéria da toxoplasmose e, mesmo quando tem, só a elimina uma vez na vida nas fezes. Uma única vez. E é nessa ocasião que, se a pessoa tiver contato muito direto com as fezes poderá se contaminar. Mas todo mundo usa pazinha para recolher as fezes, né? Então contaminação por meio do gato é algo muito, mas muito raro.



 10) “Gato sempre cai em pé”

Depende da distância do solo e do tipo físico do bichano. Um gatinho fora do peso não gira no ar e cai em pé. Se a altura for pequena e o gato for solto de barriga para cima ele pode cair deitado e se ferir. Se a altura for alta demais ele pode morrer e sofrer graves fraturas. O gato tem a habilidade de cair em pé, mas depende das condições dele e da queda.

 11) “Gato não passeia de coleira”

Passeia sim, mas preferem peitoral porque eles não gostam de ser conduzidos pelo pescoço. E nem é preciso acostumar desde pequeno. Alguns gatos aceitam o peitoral depois de adultos, enquanto outros não aceitam nunca. Mais uma vez, depende muito da personalidade do bichano que tem que ser respeitada.

 12) “Gato não atende pelo nome”

Atende. Entende o nome e outras palavras, assim como os cães e outros animais. E se comunicam conosco. Quem tem gato reconhece alguns miados e entende o que o gato está querendo

 Texto, pesquisa e fotos: Fátima Chu🌎ecco, jornalista e escritora, consultora da @buscacats e fundadora da editora www.miaubookecia.com 
 Gata preta: Ághata. Branca: Dianna. Rajada: Rebecca

domingo, 6 de agosto de 2023

Animação Gatos no Museu se baseia em gatos reais do Museu de Hermitage na Rússia


Estreia dia 10 nos cinemas a animação "Os Gatos no Museu" que é diversão garantida tanto para crianças quanto para adultos destacando-se as "gateiras". Com um roteiro muito bem feito e entrelaçado na história real do Museu de Hermitage na Rússia, o filme encanta do começo ao fim.

No enredo, Vincent é um gatinho laranja e de olhos azuis que, ainda quando filhote, foi parar numa ilha deserta onde conseguiu um único amigo: um rato fanático por roer obras de arte. Quando o castelo onde vivem desaba, os dois são involuntariamente levados para São Petersburgo, exatamente para os porões do Hermitage. 


Lá eles se deparam com um grupo de gatos que são guardiões do Museu. A  missão deles, claro, é caçar ratos protegendo os quadros de roedores. Assim, Vincente precisa se tornar um guardião e, ao mesmo tempo, proteger seu amigo rato. Imaginaram a confusão?!

Vejam o trailer:


Os gatos do Hermitage EXISTEM!

Quem tiver curiosidade de saber sobre os felinos do Museu russo pode encontrar muitas páginas no Google sobre eles com fotos e vídeos. Uma que recomendo é a da Russia Beyond que pode ser acessada AQUI. Mas aqui já faço um resumo. 


A primeira "madrinha" dos gatos do Hermitage  foi a Imperatriz Isabel Petrovna que em 1745 pediu a soltura de 30 gatos em seu palácio para proteger galerias de arte dos ratos. Substâncias químicas já tinham sido usadas contra os ratos sem sucesso, mas os gatos funcionaram bem.

Mais tarde veio a Segunda Guerra detonando o Hermitage e seus porões que se encheram de ratos famintos. Os gatos, no período de guerra, não duraram muito morrendo de fome ou sendo comidos pelas pessoas que também lutavam pela sobrevivência.


A partir de 1943 várias cidades russas começaram a enviar gatos para a região do Hermitage e fala-se, inclusive, de um trem com 5 mil gatos que desembarcou os felinos em Leningrado. Boa parte dos ratos foi caçada e outra se refugiou para nunca mais pisar no Museu.


Os descendentes desses gatos continuam no Museu de Hermitagem até hoje os visitantes fazem questão de fazer selfies com eles. Tem um video bem interessante que mostra os porões onde os gatos dormem ou restabelecem a saúde e também tem cenas dos gatos que perambulam por dentro do Museu para o deleite dos turistas.

Veja m o vídeo dos gatos que moram no Museu de Hermitage:


Texto e pesquisa: Fátima Chu🌎Ecco jornalista e escritora, consultora da @buscacats 😻e fundadora da editora www.miaubookecia.com  🐶🐱


Entrevista Internacional: Conheça J`accuse, o cãopanheiro de Lupin (Série Netflix)

Quem acompanha a série "Lupin" da Netflix já deve ter se encantado com o cachorrinho adotado pelo personagem Assane Diop, interpr...