quarta-feira, 26 de junho de 2013

MAIS DE CEM CÃES E UM PORQUINHO SALVOS EM STA CRUZ DO ARARI

       Um dos sobreviventes parece sorrir no barco rumo ao abrigo q acolheu outros 100 animais

O primeiro resgate salvou 82 e O segundo mais 20 cães, além do porquinho paraplégico Oddy. Eles estavam na Ilha do Francês (Pará), um lugar bem distante e muito pobre, onde foram deixados para morrer. Já estavam em pele e osso quando foram resgatados e alguns ainda tinham patas e focinho amarrados com arame farpado. O extermínio de cães em Santa Cruz do Arari chocou o país tal a crueldade aplicada numa caçada pelas ruas da cidade. Uns foram jogados no rio e outros abandonados na ilha. A matéria que fiz sobre o resgate teve mais de 20 mil curtidas no portal da Anda e mais de 250 comentários. Foi um resgate impressionante tendo que levar todos os cães de barco, de uma só vez, até o continente. A segunda parte da matéria conta como os sobreviventes estão passando num abrigo em Outeiro. No sábado passado um mutirão deu o primeiro banho nesses cães sofridos, mas com muita vontade de viver. No meio deles o porquinho Oddy, fruto do segundo resgate. Veja a matéria completa e galeria de fotos, além de um video com cenas do resgate em http://www.anda.jor.br/25/06/2013/caes-sobreviventes-de-santa-cruz-do-arari-pa-se-recuperam




sábado, 22 de junho de 2013

ALGUMAS DAS MELHORES FOTOS DOS ÚLTIMOS DIAS NAS RUAS DE SP


Foto de Avener Prado mostra cartaz q diz: Qdo a revolução vira rotina, a revolução é Dever

MANIFESTAÇÃO, REVOLTA POPULAR OU REVOLUÇÃO?

Estas são algumas das imagens que mais me chamaram a atenção pela beleza e força que transmitem. Talvez por serem noturnas, ganharam um efeito diferente, mais tocante. São todas de fotógrafos da FolhaPress. No UOL tem hoje uma matéria com especialistas decifrando termos como manifestação popular, revolta popular e revolução. Parece que todos beiram ao que está acontecendo no momento. É uma matéria bem informativa. Fala de outros eventos ocorridos no Brasil como a Diretas Já q foi encarada como manifestação popular porque apesar do grandioso número de pessoas nas ruas, não houve episódios de violência e confronto. Explicam os especialistas que, às vezes, é a partir de uma manifestação popular que surge uma revolta popular que evolui para uma revolução. Foi assim, por exemplo, na Turquia. E costuma ter início por um motivo menor. Na Turquia o estopim foi a construção de um prédio numa área verde. Aqui foi o aumento das passagens de ônibus. A matéria da Folha mostra que em toda a nossa história houve várias revoluções começadas com algum tipo de insatisfação que não era tão representativa assim, mas acabou incitando outros desejos de mudança. Leia emhttp://educacao.uol.com.br/noticias/2013/06/22/onda-de-protestos-no-brasil-ainda-nao-sao-revolta-popular-saiba-por-que.htm

Foto Avener Prado acima e abaixo

Foto Victor Moriyama

Abaixo foto Avener Prado
                                                           Foto Victor Moriyama

sexta-feira, 21 de junho de 2013

MANIFESTAÇÃO VIRAL LEVA MAIS DE UM MILHÃO DE PESSOAS PRAS RUAS E CONTINUA

 
SERÁ QUE É COORDENADA OU INTUITIVA?

Cada dia uma novidade. Hoje descobri que se vc não vai até a manifestação, a manifestação vai até vc. Duas ruas vizinhas a minha tiveram passeata pacífica quase que simultaneamente. Resultado: familias e várias crianças participando e gritando "Vem pra Rua!!!". O clima é sempre contagiante. Quem poderia imaginar que a música feita para a Copa acabaria se transformando num hino de indignação contra os gastos empregados na mesma? E o que pensar de manifestações tão difusas, sem lideranças assumidas, mas que parecem ter uma perfeita logística para bloqueio de ruas, caminhadas rumo a Orgãos públicos e mudanças de rota tão ágeis? Parecem meticulosamente articuladas, mas tudo que sabemos é q são virais, isto é, combinadas pelos meios digitais. Mas como tantas milhares de pessoas são conduzidas? Até mesmo com a saída repentina de cena do MPL (Movimento Passe Livre), os ânimos não se acalmaram. O dia de hoje é uma prova clara disso: houve e ainda está havendo protestos em toda parte... inúmeras ruas e rodovias bloqueadas. 


Como será que isso acontece? Conversando com outros jornalistas hoje, tb pelas redes sociais, surgiu a hipótese de condução intuitiva. Aliás, já li algum estudo que dizia que muitas guerras e revoluções surgiram assim: uma conexão de desejos que motivou ações coletivas. E no meio de tanta manifestação, a estrela da temporada, que deveria ser a Copa das Confederações, acabou ocupando as capas dos jornais e revistas, e tb as matérias principais e mais longas dos telejornais, de forma jamais pensada: ganhou o caráter de vilã. Que jogo que nada... as pessoas estão interessadíssimas no que se passa na cidade. É um momento único. Não há nada parecido no resto do mundo, nem com essas proporções. Não é a primavera brasileira e nem passa perto da ocupação da wall street... a não ser que se use o termo no plural já que são várias ruas e vias importantes tomadas. Ainda vai ter que se inventar um nome apropriado para o que está acontecendo no Brasil.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

17 DE JUNHO ENTROU PRA HISTÓRIA DO BRASIL


MAIS DE 25O MIL PESSOAS NAS RUAS EM TODO O PAÍS
MANIFESTAÇÕES TOMAM 11 CAPITAIS E OUTRAS CIDADES
CONGRESSO NACIONAL É TOMADO POR MANIFESTANTES
VÁRIOS PAÍSES MANIFESTAM APOIO AOS BRASILEIROS
BAND E RECORD FAZEM COBERTURA EXEMPLAR

Não tem como negar: 17 de junho já entrou pra história do Brasil. Só no RIO foram 100 mil pessoas cobrindo a Av Rio Branco. Em SP calcula-se que também cerca de100 mil fizeram um protesto de tirar o chapéu com blocos percorrendo várias avenidas, inclusive a Paulista onde, aliás, se viu gente de toda idade, famílias, casais... um volume bem eclético de pessoas. Uma senhora de 82 anos, acompanhada pelo filho de 50, se tornou uma celebridade entre os manifestantes. Nem é preciso dizer que os 20 centavos foram só o estopim... todo mundo já sabe. E tb nem é preciso reforçar que diante da repressão da última quinta as pessoas se indignaram e os que era pra ser um manifestação restrita ao aumento da tarifa cresceu de forma gigantesca provando que os brasileiros estão insatisfeitos com muitas outras coisas, muitas delas básicas: saúde e educação por exemplo.



A Record e a Band deram cobertura em tempo real e exemplar com Marcelo Rezende e Datena apoiando as manifestações e criticando o governo. Uma coisa a observar: ninguém pode dizer que as manifestações não são legítimas, pois, não se apoiam em nenhum partido político. Aliás, um dos gritos de protesto dizia "Povo Unido não precisa de partido". Claro que sempre surgem algumas bandeiras partidárias pq a rua é pública e qualquer um pode participar, mas o movimento em si é espontâneo. Uma postura corretíssima da Record e Band foi reforçar que as ações violentas e de depredação partem de pequenos grupos isolados e não representam a maioria... e isso fica claro quando se vê 100 mil pessoas marchando pacificamente no Rio e outras 70 mil em SP.



Amanhã, nova manifestação na Praça da Sé e em cidades de Santa Catarina. Na Itália,seis cidades tb terão protesto em solidariedade aos brasileiros. Hoje a ação tomou ruas da Belo Horizonte (20 mil pessoas), Curitiba (10 mil), Porto A,legre (10 mil), Bahia (5 mil) e tb Brasília (onde a cena da tomada pacífica da cobertura do Congresso Nacional por 10 mil pessoas é realmente histórica - vide foto abaixo), Vitória, Maceió, Belém, Fortaleza, Londrina, Foz do Iguaçu, Bauru e Santos. Um grito de cidadania nada discreto. E as manifestações se proliferam por toda parte. SP faz na terça protesto na Praça da Sé. Campinas, tb em SP, quer levar 40 mil pessoas as ruas. Várias cidades de Santa Catarina se mobilizam em solidariedade ao movimento. Na Itália seis cidades tb articulam protestos em apoio aos brasileiros. No final de semana Berlim, Estambul, Montreal e Dublin tb apoiaram a manifestação brasileira.



VOVÓ PALMIRINHA, RAFAEL BASTOS, PC, JABOR E ATÉ DATENA DEFENDEM OS MANIFESTANTES


Como dizia Charles Chaplin: "Um segundo é tempo suficiente pra mudar tudo pra sempre". Assim, o que era pra ser uma simples manifestação contra o aumento das tarifas de ônibus em SP virou uma questão de honra pra população brasileira mostrar que tem direito de sair às ruas e reclamar. O segundo mencionado por Chaplin, nesse caso, foi a repressão policial. Possivelmente, se não houvesse violência gratuita contra manifestantes, jornalistas e pedestres em geral, esse movimento não teria crescido tanto. Mas explodiu da mesma forma que aconteceu na Turquia. Lá, tudo começou com uma manifestação minúscula com apenas 70 pessoas que, uma vez agredidas pela polícia, ganharam simpatizantes em todo o país. O mesmo parece estar ocorrendo no Brasil. A Parada Gay, por exemplo, começou com gays, mas hoje reune milhares de pessoas, inclusive heterossexuais, que apoiam a liberdade sexual. O Movimento Passe Livre conseguiu motivar outras pessoas, entidades e setores a expor seus direitos nas ruas.... e com isso ninguém contava, muito menos o governo.

De uma hora pra outra, várias figuras públicas e formadores de opinião começaram a repensar seus discursos. Arnaldo Jabor, que havia criticado a manifestação limitando-a a um pequeno grupo de jovens de classe média e alta que sequer usavam ônibus - uma espécie de rebeldes sem causa - voltou atrás. Gravou novo comentário admitindo que errou e que o motivo do protesto vai bem além dos 20 centavos. O VJ da MTV, PC Siqueira, gravou video de 10 minutos mostrando inúmeras razões para apoiar os manifestantes, ainda que não se queira sair às ruas. Ele argumenta que as pessoas que reclamam do trânsito no retorno do trabalho se esquecem que aqueles que estão nas ruas lutam por coisas que beneficiarão a todos. Rafinha Bastos também postou video em que defende o movimento e incentiva as pessoas a participarem. Ele diz que "parece um sonho ver as pessoas nem aí pro futebol e saindo as ruas para lutar por seus direitos".

Datena seguiu o exemplo de Jabor. Na quinta-feira se dizia contrário ao "vandalismo" da manifestação, mas depois, diante das centenas de imagens que não deixaram dúvidas, declarou que achou violenta a ação policial e se emocionou ao ver o povo nas ruas. A Globo, que foi criticada por ficar em cima do muro, teve uma postura diferente no Fantástico. O programa afirmou claramente que a polícia atirou em quem passava ou trabalhava sem qualquer motivo. A mídia em geral, diante de tantos jornalistas feridos e detidos, algo só visto na época da ditadura, tb passou a ver o movimento com outros olhos e é unânime a seguinte conclusão: os 20 centavos foram só estopim, a gota d`água que desencadeou uma revolta até então contida com relação a tudo que vai mal no pais: Transporte, Saúde, Educação... Aliás, em mesa redonda na TV Cultura, quatro jornalistas estrangeiros tb concordaram que o Movimento pode ter tido raiz nos 20 centavos, mas está claro que remexeu o íntimo dos brasileiros cansados de tanto descaso.

O ônibus em SP é um dos mais caros do mundo (com relação ao salário mínimo vigente em cada país)... e é o mais caro do Brasil. A qualidade, no entanto, é péssima. O tal direito de "ir e vir" é tb vandalizado no dia a dia das pessoas que precisam passar duas a quatro horas por dia em ônibus absolutamente lotados. Uma luta para ir e outra para vir.  Se o transporte público fosse eficaz, mais pessoas deixariam seus carros em casa, e teríamos menos trânsito e menos poluição. Todo mundo sairia ganhando. Na Folha de hoje há uma reflexão muito interessante: "A cidade avançada não é aquela onde os pobres andam de carro, mas onde os ricos usam transporte público". Em SP, no entanto, um dos maiores sonhos de consumo é ter um "carrinho". Por que será?

domingo, 16 de junho de 2013

BRASIL ENTRA NO MAPA DAS MANIFESTAÇÕES - UM TOUR PELOS TELEJORNAIS




A TV Folha, que vai ao ar pela TV Cultura, fez uma matéria supercompleta entrevistando vários jornalistas e especialistas. Fotos, filmagens e depoimentos não deixaram dúvida dos abusos cometidos pela PM – reforçou a matéria. A jornalista Giuliana, que levou um tiro no olho, contou em detalhes como foi que tudo aconteceu.  Durante a manifestação PMs apontaram a arma para ela diversas vezes, mas ela achou que não chegariam a atirar. No entanto, na Augusta, quando ela estava na frente de um estacionamento e não havia nenhum manifestante na rua, um PM mirou exatamente no rosto dela. Ela disse ainda que toda vez que os jornalistas tentavam se aproximar para documentar as cenas, os PMs tentavam impedi-los usando de violência. 

A TV Folha mostrou várias cenas do transporte coletivo com ônibus absolutamente abarrotados de gente. Se a cidade está repleta de carros e congestionamento é pq as pessoas não se sentem estimuladas  em usar o transporte público. Todo mundo prefere ir para o trabalho com carro. E o programa mostrou ainda um detalhe importantíssimo tb documentado em fotos e filmagens: vários PMs arrancaram de seus coletes a identificação de seus nomes – algo totalmente proibido.  E finalmente, A TV Folha soltou a melhor definição da situação: o Brasil entra para o mapa das manifestações populares.


Apesar da Globo ter sido bastante criticada durante a semana por parecer a favor da violência policial, o Fantástico teve uma postura corretíssima. O programa falou com todas as letras que a PM abusou da violência e a usou, inclusive, contra pessoas que nada tinham a ver com a manifestação e tb jornalistas. A Record evitou criticar a ação policial. Afirmou que houve excessos de ambos os lados. O Programa Legião Estrangeira, com jornalistas de outros países em cobertura no Brasil, exibido pela TV Cultura, mostrou como as manifestações foram vistas pelo resto do mundo. Os jornalistas disseram q, em comparação com outras gdes cidades, o transporte no Brasil é um dos piores.  Enxergaram abusos da PM e concordaram que os 20 centavos serviram apenas de estopim para uma insatisfação muito maior. 

Aliás, vale lembrar que na Turquia o processo começou de forma semelhante ao Brasil. Cerca de 70 manifestantes enfrentaram a polícia pq não queriam a construção de um prédio comercial numa das únicas regiões arborizadas de Estambul. A repressão policial, no entanto, tb causou indignação à população que começou a se unir ao movimento fazendo-o crescer  e se tornar ainda mais violento. Já são duas semanas de combates. Agora o governo já admite suspender a obra e fazer consulta pública, mas os protestos continuam.



Bala de borracha NÃO!!!
A Secretaria de Segurança Pública reconheceu o estrago que as balas de borracha fazem nas pessoas (e, diga-se de passagem, tb nos patrimônios públicos) e disse que os PMs não usarão esse artifício na manifestação de segunda-feira, em SP. Tb vai distribuir coletes à prova de bala para os jornalistas mas... fica a pergunta: se não vai haver bala de borracha, pra que os coletes??? As balas são de fato um exagero. Os PMs já possuem colete, escudo, capacete, cassetete e bombas de gás. Precisa mais??? Usar balas de borracha contra manifestantes é um grande fiasco perante o povo brasileiro e o resto do mundo.

Além disso, as ordens são para que os PMs só reajam em caso de extrema necessidade e contra vandalismo. Por falar nisso, vale esclarecer tb que em toda manifestação há sempre algumas pessoas dispostas a tumultuar, mas que não representam a maioria. Cabe à PM localizar e deter essas pessoas ao invés de atacar todos os manifestantes. Na manifestação de segunda será permitido o uso de vinagre que,  pra quem não sabe, ajuda a cortar o efeito de gás lacrimogênio. Basta cheirar. A trajetória será definida na manhã desta segunda. Finalmente a Segurança Pública quer dialogar mas, como observaram alguns consultores, seria mesmo caso de segurança pública? Faltaram mediadores de conflito em todas as manifestações porque, afinal, tropa de choque não foi criada pra dialogar – afirmaram os especialistas.

COMO SE PROTEGER NA MANIFESTAÇÃO



 

BALANÇO GERAL DOS ÚLTIMOS DIAS E 
O QUE ESPERAR DESSA SEGUNDA-FEIRA

No mundo todo as pessoas estão aprendendo a se defender da repressão nas grandes manifestações com óculos (para ciclismo ou natação) e capacete, além de máscaras contra gases (serve a usada por pintores de parede). É a alternativa que restou para exercer o direito de protestar enfrentando ações violentas por parte da polícia. Aconselha-se usar também bota para proteger pés e tornozelos, roupas grossas, principalmente jaquetas de jeans e de tecidos duros com blusa de gola alta. Evitar bermudas e saias por causa das balas de borracha. Há quem improvise com capacete e óculos usados na construção civil ou de motoqueiros. Máscaras cirúrgicas, dessas que vendem em farmácias ajudam, mas apenas se o gás lançado estiver relativamente distante da pessoa.

                             Equipamento de ciclista vira kit anti-repressão

Durante o final de semana houve manifestações de apoio aos brasileiros em Berlim, Turquia e Irlanda. Advogados se articularam e cerca de 3 mil deles se ofereceram para defender manifestantes presos. A manifestação de segunda-feira em SP, no Largo da Batata às 17h, promete ser o tira-teima de quem está agindo segundo a lei. Os próprios manifestantes vão filmar todas as ações violentas, incluindo de baderneiros cujo objetivo é apenas tumultuar. Espera-se que um batalhão de jornalistas e cinegrafistas tb se unam nessa ação para documentar tudo!!! Cerca de 180 mil pessoas confirmaram presença. Em matéria publicada hoje no Estadão, os manifestantes pedem para não fotografarem o rosto dos estudantes para evitar perseguição. Aconselham ainda a levar roupa extra para o caso de ser atingido por gases. A troca rápida das peças evita maior contaminação. 


                                    Foto: manifestantes da Turquia

Nem parece que estamos falando de 2013, não é mesmo? Mas os números confirmam que com mais de 300 pessoas detidas, a última manifestação foi a que teve mais prisões desde os tempos da ditadura (idos dos anos 60 e 70). Quinze jornalistas ficaram feridos e alguns foram tb presos. Nem mesmo nas guerras civis pelo mundo, com aparato muito mais pesado, não se tem registro de tantos jornalistas feridos num só dia. Aliás, jornais do Exterior noticiaram “clima de guerra” no Brasil.


De todas as manifestações pelo país, apenas uma teve saldo positivo: a de Belo Horizonte, realizada ontem, dia 15. A comandante do policiamento de Belo Horizonte, coronel Cláudia Romualdo, permitiu a passagem dos oito mil manifestantes pelo percurso que eles desejavam fazer e não houve incidentes. Um belo exemplo a ser seguido, mas a própria comandante deve enfrentar problemas por ter agido dessa forma contrariando uma liminar que proibia o trajeto. Em Curitiba tb não houve violência, mas não houve ação policial.

                                         Jovens da Turquia apoiam manifestantes brasileiros

No final de semana, como era de se esperar, todas as revistas semanais deram capa da manifestação de quinta, mas apenas a Isto É foi corajosa a ponto de usar uma foto em que se vê claramente um PM agredindo pessoas na Av Paulista – um casal que estava sentado num bar e nem participava da manifestação. A Veja foi suave no tratamento da matéria... pareceu não estar de lado nenhum da questão... mas por duas vezes ressaltou que o prostesto passa a ser agora pelo direito de protestar e não só pelos 20 centavos na tarifa do ônibus. A Época ouviu os articuladores das manifestações. 

                               Em Berlim 300 pessoas tb prestam apoio às manifestações brasileiras

Algumas matérias trazem o parecer de especialistas em guerrilhas urbanas e sociólogos. O pensamento unânime é de que o que era pra ser uma simples manifestação pelo aumento do ônibus cresceu enormemente com a repressão policial. Outras reivindicações começaram a ser clamadas e mais pessoas devem ir às ruas em todo o Brasil. A partir desse momento, dizem os consultados, a sociedade deve rachar entre os que apoiam a repressão e os que defendem a liberdade de expressão – algo muito perigoso e muito semelhante ao período da ditadura. Tb foram unânimes em dizer que a PM não está preparada para manifestações desse gênero e que os 20 centavos foram apenas a gota d`água de uma sociedade que está cansada de não ter transporte, educação e nem saúde decentes.

Cartaz postado na página do Facebook do Movimento Passe Livre 

Leia  também neste blog outras matérias sobre esse assunto:
http://jornalistafatima.blogspot.com.br/2013/06/pode-ser-gota-dagua.html

 


sexta-feira, 14 de junho de 2013

FRANÇA, ALEMANHA E IRLANDA TAMBÉM PROTESTAM EM APOIO AOS BRASILEIROS

 
E O QUE ERA PARA SER UMA MANIFESTAÇÃO PELO PASSE LIVRE VAI SE ALASTRANDO E TOMANDO OUTRAS PROPORÇÕES À MEDIDA QUE A POPULAÇÃO FICA INDIGNADA COM A REPRESSÃO POLICIAL.

No Exterior, os jornais assinalam que a manifestação pelo transporte público no Brasil apresenta "cenas de guerra". Berlim (Alemanha) e Dublin (Irlanda) fazem seus protestos de apoio aos manifestantes brasileiros dia 16, domingo e na França a mobilização é dia 28. E já tem novo protesto marcado para o dia 17, às 17h, no Largo da Batata, metrô Faria Lima, em SP. Na página do Movimento Passe Livre do facebook há confirmação de 72 mil pessoas. Mas se apenas 20% forem, já são 14 mil pessoas na mira de balas de borracha, bombas de gás lacrimogênio e gás pimenta. Durante o quarto dia de protesto, na última quinta-feira (13), a polícia deteve 242 pessoas e 16 profissionais da imprensa que trabalhavam na cobertura das manifestações ficaram feridos. Dois receberam balas nos olhos e um deles pode perder a visão. A pergunta que fica é: por que os PMs miram no rosto e não no chão?



E já começa a se formar um novo movimento: "Democracia sem Fronteiras" em apoio aos manifestantes brasileiros. Além de Alemanha e França, entram no protesto que está sendo articulado pelo facebook mais dois países: Canadá e Portugal.

O jornalista veterano Ricardo Kotscho postou em seu blog um dos melhores textos sobre o que houve na última manifestação:

"Quem melhor resumiu os acontecimentos da noite de quinta-feira (13), que mais uma vez transformaram o centro de São Paulo numa praça de guerra, foi o prefeito Fernando Haddad:
"Na terça, eu penso que a imagem da violência que ficou foi a da violência dos manifestantes. Infelizmente, hoje, não resta dúvida que a imagem que ficou foi a da violência policial".


E complementa:



"É exatamente o que eu penso que aconteceu, depois de acompanhar por horas ao vivo na televisão esta última manifestação contra o aumento de 20 centavos (de R$ 3 para R$ 3,20) nas passagens dos ônibus da cidade: a PM já chegou chegando, com todo aparato bélico a que tem direito, batendo e atirando para todo lado, disposta a se vingar dos atos de vandalismo e agressões a alguns policiais praticados durante a manifestação da última terça-feira.
O grande problema é que a violência policial não se limitou a conter o protesto dos estudantes, mas atingiu indiscriminadamente a população paulistana que passava elas ruas a caminho de casa ou do trabalho ou tomando sua cervejinha num bar. Na fúria policial deliberadamente desencadeada para mostrar quem manda na cidade, sobrou para todo mundo.
Quando a Tropa de Choque armada até os dentes se perfilou no começo da rua da Consolação, por volta das 7 da noite,  para impedir que os manifestantes seguissem em direção à avenida Paulista, foi a senha para que o caos se instalasse na cidade, atingindo quem estava em carros e ônibus, e espalhando a baderna pelas ruas vizinhas. Estava na cara de ódio dos policiais que eles tinham carta branca para retomar o controle de segurança da cidade a qualquer preço".
Matéria na íntegra http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2013/06/14/acao-da-pm-foi-de-vinganca-contra-a-populacao/
 
                                            Fotógrafo recebe spray de pimenta enquanto trabalha

ESTRANHAS MANIAS FELINAS

“Daqui não saio, daqui ninguém me tira”. A frase, que é muito popular no Brasil, se encaixa direitinho em algumas situações protago...