sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Um cão e muitos tutores

                                                       Nega viveu 16 anos na Alesp
Você sabia que animais comunitários têm direitos?
A Lei Feliciano Filho (Nº 12.916 de 2008) que deu fim as chamadas “carrocinhas” e passou a proibir a matança indiscriminada de animais, também estabelece a proteção do “cão comunitário”, ou seja, aquele animal que vive na rua, mas é assistido por vários moradores ou comerciantes locais. Esse animal deve ser castrado, vacinado e identificado pelos  CCZ e canis municipais, e devolvido ao seu local de origem – uma grande solução para evitar a procriação desenfreada e, ao mesmo tempo, evitar a superlotação de abrigos e do próprio CCZ.
Nega, também conhecida como Nina, é um belo exemplo de cão comunitário, pois, viveu 15 anos na Alesp – Assembléia Legislativa de SP, vindo a falecer este ano. Ela entrou na Alesp para dar à luz a 11 filhotes. Num primeiro momento foi acolhida pelos PMs e em especial pelo Cabo PM Kiyoharu: “Ela foi ficando e se apegando aos PMs, inclusive, acompanhava a ronda noturna se comportando exatamente como um cão policial sem nunca ter sido treinada para isso. Ficava em posição de ataque, mas nada fazia se não recebia um comando”, conta.
                                             Nega tinha várias roupinhas
Certa ocasião chamaram a “carrocinha” para capturá-la e todos sabiam que, naquela época, anterior à Lei Feliciano, sua morte seria certa e dolorosa. Então várias pessoas interviram a favor da cachorrinha que acabou conquistando definitivamente seu espaço na Alesp, com direito à cama, banho, comida e veterinário.
“Ela pegava duas salsichas diariamente numa kombi que vendia lanches e entregava uma delas na boca de outro cachorrinho que passou a frequentar a Alesp, o Neguinho. Era emocionante ver a amizade dos dois”, conta Feliciano.
Segundo Vitória Frugoli, primeira-secretária da Aspal – Associação dos Servidores Aposentados e Pensionistas da Alesp, Neguinho, também conhecido por Tico, era de um carroceiro que o amarrava numa grade e batia nele com pau. “Então os PMs da Alesp avisaram que tirariam o cachorro dele se aquela crueldade continuasse, e assim foi. No entanto, Tico nunca permitiu nossa aproximação ou qualquer agrado. Ele era bastante traumatizado”, conta.
Vitória também cuidava da Nega e fazia suas roupinhas, incluindo capa de chuva para as rondas noturnas: “Ela era muito inteligente. Tomava elevador sozinha e descia exatamente no andar dos PMs. Ficava esperando o elevador abrir, entrava e descia no andar correto”, conta emocionada com a perda da companheirinha de tantos anos.
Negão virou segurança de condomínio
                                               Negão é conhecido do condomínio
A jornalista Juliana Menezes, de SP, cuida do Negão, um simpático vira-lata de 16 anos. “Moro em um condomínio no bairro de Santana com 10 prédios e o Negão vive nos fundos. Ele chegou na construção com os pedreiros e tinha uma outra cachorrinha, a Neguinha, que foi doada para um amigo meu de faculdade, pois, era muito brava e atacava alguns moradores. Já o Negão é tranquilo, adora crianças, os moradores, e passeia comigo sempre na praça próxima ao prédio”, relata.
Segundo a jornalista, Negão é um cão grande, com 30 kg, mas muito calmo e bem conhecido no bairro: “Estamos tratando dele há 9 anos. Seu tamanho impressiona, mas é muito manso. Para se ter uma ideia, ele divide a ração com uma pombinha que é amiga dele. Ele só não gosta de outros cães. Se algum cachorro de rua se aproxima do condomínio ele ataca para defender a casa dele. É como um cão comunitário que faz a segurança do prédio”.  Negão recebe ração e cuidados veterinários rateados entre Juliana e outros dois vizinhos.




terça-feira, 27 de setembro de 2016

Participe da Semana de Conscientização dos Direitos dos Animais de SP



De 28 de setembro a 4 de outubro comemora-se a Semana de Conscientização dos Direitos dos Animais, que passou a fazer parte do Calendário Oficial de Eventos do Estado de SP com a Lei 15.431 de 2014, do deputado estadual Feliciano Filho. O período antecede o Dia Internacional dos Animais (4 de outubro) e tem como objetivo estimular a reflexão sobre como são tratados os animais domésticos, silvestres, selvagens e também os destinados ao consumo.

“A forma como tratamos os animais é um retrato do nosso grau de civilidade. Os animais tem sido objeto de abuso de uma humanidade que tem conhecimento demais e sensibilidade de menos. Os animais são seres sencientes que merecem que seus sentimentos como amor, medo e angústia sejam respeitados”, comenta Feliciano Filho que, recentemente, teve aprovada sua lei que cria a DEPA – Delegacia Eletrônica de Proteção Animal.
A Semana de Conscientização dos Direitos dos Animais é uma excelente oportunidade para educadores aplicarem o tema em sala de aula ou em atividades fora da escola. E uma ótima oportunidade também para ações em prol dos animais de todas as espécies e que vivem em situações de abuso, exploração comercial, maus-tratos, abandono, tráfico, servindo como cobaias ou para entretenimento, suportando todo tipo de sofrimento físico e emocional.



Feliciano ressalta a necessidade de repensar o papel dos animais na sociedade: “Durante essa semana é indicado refletirmos sobre a vida dos bois, porcos e frangos abatidos diariamente nos frigoríficos. A situação precária dos animais de rua e falta de políticas efetivas para melhorar esse cenário. Podendo citar ainda a exploração animal no mercado da moda, da ciência, dos circos, dos rodeios e das vaquejadas e dos sacrifícios ritualísticos”.
Participe!


Qualquer pessoa pode participar da Semana de Conscientização dos Direitos dos Animais publicando no facebook e outras redes sociais uma foto de seu cachorro ou gato com a hashtag #semanadireitosanimais . Em poucas linhas pode contar a história de um resgate, de uma experiência fascinante que teve com algum animal ou falar sobre a felicidade que é ter um animal como seu companheiro.
Pode ainda publicar, com a mesma hashtag, algum caso inspirador ou que tenha tido grande repercussão e emocionado muitas pessoas ou, pelo contrário, episódio ou situação impactante que force as pessoas a uma reflexão. Pode ser foto, vídeo e, inclusive, pinturas ou desenhos. O importante é contribuir. É fazer o registro de uma vivência, de uma alegria ou de algo que lhe toca o coração profundamente com relação aos animais.


segunda-feira, 12 de setembro de 2016

COMO SE PROTEGER DOS PSICOPATAS DA SERINGA



Pegar ônibus e metrô lotados não é algo que se possa evitar. Quem trabalha fora passa por isso todos os dias e precisa tomar muito cuidado para não ser mais uma vítima dos psicopatas da seringa. Segundo relatos, há mais de um psicopata já que até agora foram pelo menos três retratos-falados de homens com características bem distintas. Um deles, que é morador de rua e viciado em drogas, foi preso, mas será que ele é mesmo um dos autores dos ataques?

Embora existam 3 mil câmeras em todo o sistema do metrô, nenhuma delas foi capaz de captar um movimento suspeito. Os ataques já ocorreram nas estações Sé, Paraíso, Pinheiros e Tucuruvi, em vagões e escadas rolantes. Evitar dar as costas para as pessoas é a única maneira de receber uma agulhada, porém, isso é impossível em horário de pico com vagões lotados. Já na escada rolante uma maneira de evitar o ataque é subir virada de frente ou de lado para as pessoas atrás de você. A Avenida Paulista é outro ponto de ataque e é preciso observar todos que passam perto e, com frequência, observar se ninguém está seguindo você.

Importante: para esconder a seringa os psicopatas costumam usar mangas longas que cobrem as mãos e deixam apenas os dedos para fora. Também podem manter as mãos em bolsos largos de jaquetas e blusões.

Algumas das vítimas se submeteram a drogas para evitar doenças mas, além de sofrer com os efeitos colaterais dos remédios, precisam aguardar seis meses para ter certeza que não foram contaminadas. Como os ataques tiveram início em junho, somente no final do ano a população saberá se as agulhas usadas estavam contaminadas. Uma maneira de pegar os criminosos seria colocar vários agentes infiltrados nas horas de pico para agirem no caso de um ataque. As câmeras não conseguem pegar ataques sutis dessa natureza.

Outros casos: a investigação deveria levar em conta outros casos que podem ter alguma relação com o de SP. Em março do ano passado, algumas mulheres foram atacadas com seringas em ônibus de João Pessoa, na Paraíba. Também no ano passado, na India, um psicopata atacava mulheres com uma agulha grossa própria de veterinários. Ele agia no transporte público.

Proteção: atenção redobrada em transporte lotado, observando as maõs e movimentos dos homens mais próximos. Nas escadas rolantes não dar as costas para as pessoas atrás de você e evitar ao máximo escadas muito lotadas. Se perceber um ataque, ainda que não seja com você, grite, peça socorro. Na rua nunca deixe estranhos se aproximarem muito, especialmente se estiverem com manga longa ou mãos nos bolsos. É terrível ter que tomar esses cuidados e não poder andar com tranquilidade, mas é a única forma de evitar o pior no momento.

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Primeira Delegacia Eletrônica de Proteção Animal do Brasil



No dia 6 de setembro protetores, ativistas e simpatizantes da causa animal ganharam mais uma ferramenta de trabalho: a Lei 16.303/2016, de autoria do deputado estadual Feliciano Filho que cria a a Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (Depa). Agora as denúncias, recebidas diretamente pela Secretaria de Segurança Pública e distribuídas nas delegacias mais próximas das ocorrências, poderão ser feitas pela internet. Fotos, vídeos e relatos de testemunhas poderão ser anexados.

A campanha pela aprovação da DEPA contou com a criatividade dos amantes de animais. Foram inúmeros posts com cães e gatos em poses divertidas, meigas ou emotivas e as hastags #alckminsancionadepa e #querodepa. Algumas pessoas publicaram fotos de seus animais antes e depois de terem sido resgatados de maus-tratos. Teve gente que publicou até vídeo de seu animal para sensibilizar o governador. E deu certo!



 “Muitos de vocês me escreveram sobre o assunto e hoje posso dar a excelente notícia: acabo de sancionar a criação da DEPA – Delegacia Eletrônica de Proteção Animal, que vai atender ocorrências envolvendo animais. O acesso à DEPA será feito por meio de atalhos nos portais eletrônicos da Polícia Civil e da Polícia Militar de SP”, publicou o governador em sua página do facebook.
A assessoria de Alckmin deu a seguinte resposta padrão a quem, como eu, também escreveu para o email do governador: “Prezada Fátima, 
Em atenção ao seu e-mail, encaminhado ao Governador Geraldo Alckmin, é com satisfação que informamos que o Projeto de Lei n. 91/2016 foi por ele sancionado, tendo se convertido na Lei n. 16.303/2016, que cria a Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (Depa). Moções de apoio como a sua legitimam ainda mais essa decisão, que representa mais um passo em defesa dos animais em São Paulo”.



O deputado agradeceu aos seus apoiadores postando em seu facebook: “Gostaria de agradecer a todos os nossos irmãos protetores, ativistas, entidades e amantes dos animais que participaram da campanha #AlckminSancionaDEPA e #QueroDEPA. A voz de vocês foi ouvida pelo governador e foi muito importante para a sanção do projeto! E agradeço também ao governador Alckmin que se sensibilizou, mais uma vez, com a problemática da proteção animal no Estado de SP”.A DEPA cumpre o papel do Estado de proteger nossos animaizinhos que não têm como se defender, não têm voz e nem a quem recorrer. Quem maltrata, fere ou mata um animal deve ser punido”.


Segundo Feliciano Filho, após a implantação do sistema, qualquer pessoa poderá fazer, pela internet, denúncias de maus-tratos a animais, inclusive, postando fotos e vídeos, e incluindo testemunhas. “A denúncia poderá ser feita até mesmo com um telefone celular, direto do local dos fatos, mantendo seu sigilo, se preferir. Minha lei cria um canal direto às polícias do Estado, que fará a distribuição online das ocorrências diretamente às delegacias mais próximas. Ao receber a denúncia, a Secretaria de Segurança Pública terá então até 10 dias para entrar em contato com o denunciante informando o andamento da apuração”, explicou.


domingo, 4 de setembro de 2016

ANIMAIS ORFÃOS DA ATIVISTA MARLI DELUCCA PRECISAM DE ADOÇÃO

                                   Essa é a Nikita (cadela) com a Mumu

É com pesar que escrevo esse texto, pois, uma das maiores angústias de qualquer protetor ou pessoa que tem cães e gatos é partir e não saber o que será feito deles. É por isso, inclusive, que já escrevi matérias ressaltando a importância de se deixar um testamento mesmo sendo jovem ou gozando de perfeita saúde, afinal, ninguém sabe quando vai morrer e pode ser repentinamente. Uma forma de amenizar essa angústia é fazer um testamento dando orientações para pessoas próximas e que gostam de animais.

A ativista da causa animal Marli Delucca deixou cinco animais com até cinco anos de idade, segundo contam seus filhos. São quatro lindos gatos e uma cadelinha supersimpática. Todos mansos e encantadores, também estão castrados e vacinados. Estão morando todos juntos com os filhos da ativista desde sua morte, mas eles alegam que passam o dia todo fora trabalhando, voltam tarde da noite e não podem mais cuidar dos animais. Então foram colocados para adoção – vejam as fotos.

                                     Esse é o Tutu

O caso dos órfãos da Marli é apenas mais um entre vários que se repetem todos os dias. Algumas histórias são ainda mais trágicas, com os animais sendo colocados da porta para fora ou levados para longe, abandonados numa estrada... enfim... coisas horríveis acontecem com animais órfãos. Alguns já são velhinhos, carecem de cuidados médicos e, mesmo assim, são abandonados. Todos os dias, animais de pessoas mortas são descartados como móveis ou roupas velhas. Seus pertences sem valor são doados e às vezes simplesmente jogados fora junto com os animais. Mas casas e carros são geralmente preservados e disputados.

Alguns animais órfãos têm a sorte de serem acolhidos por parentes, amigos e às vezes até vizinhos do tutor. Outros não. Lembro da história de uma moça que adotou o cachorro de um senhor que morreu dentro de casa. Apenas quando o cheiro do corpo estava bem perceptível é que a polícia invadiu a casa e viu o cachorrinho ali, por dias sem comer ou beber, do lado do amigo. A família não se interessou pelo cão e seu destino fatalmente seria o abandono, mas a moça resolveu ficar com ele e não se arrependeu. Um ato de amor pelo cão e de consideração pelo vizinho.

                                          Essa é a Gaya

A situação é ainda infinitamente pior quando se trata de uma pessoa com muitos bichos. Quantas vezes não vemos nas redes sociais protetores desesperados para arranjar lar para 20, 30 animais devido à morte da tutora? Por isso é tão importante deixar um testamento. E não é preciso ter bens ou ser rico. Se a pessoa tem uma casa pode deixá-la para alguém que sabe que cuidará de seus animais. Se ela não tem imóvel pode, pelo menos, deixar orientações com algum amigo que também gosta de animais: uma carta assinalando idade e particularidades de cada bicho, qual toma remédio e outros cuidados específicos. Pode não ter imóvel ou carro, mas algum dinheiro no banco ou joias, computador, coisas que possam ser vendidas.  Fazer testamento pode parecer tétrico e desconfortável, mas é fundamental para garantir alguma segurança para os animais.

                                                  Essa é a Nina


No caso da Marli, para quem não a conheceu, posso atestar que foi uma grande guerreira da causa animal. Uma investigadora, uma lutadora. Por isso, quem está pensando em adotar um cachorro ou gato tem a chance de levar um pouco dessa garra e desse amor para casa ficando com um dos animais da Marli. Tenho certeza que a bela energia dela permanece em cada um deles. Interessados devem deixar comentário na própria página da Marli, pois, seus filhos estarão acompanhando e, inclusive, dependendo do bairro de SP, podem levar o animal até o adotante caso o mesmo não tenha carro. O facebook da Marli é https://www.facebook.com/mdproanimal?fref=ts  e do filho dela https://www.facebook.com/gilbertojsfilho?pnref=story Quem não puder adotar pelo menos compartilhe. E para conhecer melhor a trajetória dessa ativista de mão cheia, que batalhou incansavelmente contra o Aquário de SP por conta dos ursos polares, acesse o link http://www.anda.jor.br/09/11/2015/marli-delucca-sherlock-holmes-causa-animal

                                                   Essa é a Mumu

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

AJUDEM PARA NÃO PERDERMOS ESSA CHANCE DE CONTAR COM UMA DELEGACIA ELETRÔNICA DE PROTEÇÃO ANIMAL



CONVOCAÇÃO URGENTE PARA PROTETORES E SIMPATIZANTES: minha matéria publicada na ANDA sobre a DEPA-Delegacia Eletrônica de Proteção Animal explica como é importante protetores e simpatizantes se unirem nesse momento para pedirem que essa ferramenta entre em vigor. O prazo para aprovação do projeto de lei do deputado Feliciano Filho esgota dia 6 de setembro, terça-feira. A delegacia facilitará muitas denúncias e, como explico na matéria, pode ajudar a salvar vidas animais e humanas. Leia, compartilhe e participe! 

ACESSE
http://www.anda.jor.br/01/09/2016/uma-delegacia-eletronica-para-salvar-animais

ESTRANHAS MANIAS FELINAS

“Daqui não saio, daqui ninguém me tira”. A frase, que é muito popular no Brasil, se encaixa direitinho em algumas situações protago...