terça-feira, 31 de agosto de 2021

1ª Feira Pet-Solidária do Museu do Ipiranga acontece nos dias 5 e 7 de Setembro

 


A Feirarte, evento tradicional que acontece aos domingos na Rua dos Patriotas, bem ao lado do Parque Independência e do “Cachorródromo”, recebe uma novidade nos dias 5 (domingo) e 7 de setembro (terça de feriado): uma FEIRA PET-SOLIDÁRIA onde ONGs de proteção animal e protetores independentes estarão expondo produtos temáticos inspirados em cães e gatos.

São camisetas, moletons, canecas, garrafinhas, pet-fotolivros personalizados e canetas, entre outros itens com renda revertida para as ONGS: Gatos do Ipiranga, Ampara Animal (cães e gatos), Associação de Amparo Animal Ser Feliz (cães resgatados no Ipiranga), Projeto Pet Carente (cães comunitários de moradores de rua) e Perfeitos e Especiais (gatos deficientes físicos).


Haverá também um espaço com cães disponíveis para adoção no dia 5. Billy (foto abaixo) de 4 anos, é um dos que esperam ansiosamente por um lar amoroso! 


DOE RAÇÃO

Nos dois dias de evento haverá no local uma caixa coletora de DOAÇÕES como ração e medicamentos para animais. As doações serão divididas entre as ONGs participantes.


A artista plástica Vicky Von Dorff (foto abaixo), conhecida como “a pintora dos gatos”, estará pessoalmente apresentando e vendendo suas obras em prol dos animais. São peças exclusivas: blusas, bolsas e bijuterias com suas pinturas felinas, além de pequenas telas. Vicky, que já expôs dentro e fora do Brasil, é conhecida na causa animal por fazer doação de parte de suas obras para gatinhos carentes.


A Feira recebe também as pinturas da artista Patricia Cassanello Leung:


SORTEIO!!!

 A Doggie Pet Shop, que fica na Av Nazaré bem na frente do Museu do Ipiranga, fará o sorteio de um KIT para cães contendo tenda, mordedor, bolinha, comedouro, bebedouro, bandanas e cupon de desconto no banho/tosa.

Atenção: TODOS os visitantes da Feira-Pet-Solidária poderão concorrer ao sorteio, mas as pessoas que comprarem produtos terão mais chances de ganhar porque receberão mais cupons. A urna ficará disponível nos dois dias do evento. O resultado do sorteio será dado pelo instagram 
 @doggiepetshop na quarta-feira.




Conheça melhor o trabalho das ONGs e protetores independentes e outros participantes da 1ª Feira Pet-Solidária do Museu do Ipiranga:

Ampara Animal https://www.instagram.com/amparanimal/

Associação de Amparo Animal Ser Feliz https://www.facebook.com/nanci.caccaos

Gatos do Ipiranga https://www.instagram.com/gatosdoipiranga/

Perfeitos e Especiais https://www.instagram.com/perfeitos_e_especiais/

Projeto Pet Carente https://www.instagram.com/projeto_pet_carente/

Doggie Pet Shop https://www.instagram.com/doggiepetshop_/   

Editora MI-AU BOOK  www.miaubookecia.com

Quem FAZ:

A Feira Pet-Solidária é uma iniciativa da jornalista e escritora especializada em pets Fátima ChuEcco com apoio da Subprefeitura do Ipiranga e em parceria com a Comissão da Feirarte que é realizada todos os domingos (artesanato e área gastronômica). No local também acontece apresentação de chorinho.

Onde e Quando:

A Feirarte e a Feira Pet-Solidária acontecem nos dias 5 e 7 de setembro (feriado) das 9h às 17h na Rua dos Patriotas, 20, na Vila Monumento/Ipiranga, ao lado do Sesc Ipiranga da Rua Bom Pastor e no “miolo” do Parque da Independência, ao lado do "Cachorródromo". ENTRADA FRANCA


Texto/montagens: Fátima ChuEcco

Autora do clássico "Mi-Au Book - Um livro pet-solidário" que reuniu cães e gatos do Brasil e exterior e teve em sua segunda edição a participação de Brigite Bardot. Jornalista ambientalista e também especializada em animais de estimação.

Desenvolve fotolivros literários com crianças e animais.



sexta-feira, 27 de agosto de 2021

BAZAR neste domingo (29) para ajudar os Gatos do Museu do Ipiranga




O grupo de voluntários que presta assistência aos gatos que vivem no Parque Independência fará um megabazar neste domingo, dia 29 de agosto, para arrecadar fundos. Itens novos e seminovos como móveis, artigos de cozinha, objetos de decoração, livros, bijuterias, roupas e sapatos estarão à disposição numa área do Restaurante Casa Ipiranga 22 que, durante o evento, também permanecerá fornecendo pratos quentes e frios.

O tratamento que os gatos do Museu do Ipiranga recebem há décadas virou referência e exemplo de ética e boas-práticas para com os animais comunitários. Já foi assunto de mídia nacional e internacional destacando o esforço dos voluntários em castrar, vacinar, alimentar, cuidar dos doentes e feridos, buscar lar temporário e adoção.

Muita gente não sabe que ao cuidar dos Gatos do Museu esses voluntários estão não somente ajudando esses animais, mas também prestando um serviço de "saúde pública", pois, ao castrar, cuidar e monitorar os felinos evitam superpopulação e zoonoses.


O método de CED - Captura, Esterilização e Devolução ao Local de Origem adotado pelo grupo "Gatos do Ipiranga", formado por moradores do bairro de diversas profissões, é o mesmo que tem dado excelentes resultados em outras partes do mundo como, por exemplo, em Roma, onde foi possível diminuir e manter saudável a população de gatos graças a voluntários com apoio do próprio governo italiano. Veja a matéria AQUI

O CED é reconhecido e recomendado até mesmo pela ONU como a maneira mais ética e eficaz para conter e ao mesmo tempo manter saudáveis os animais que vivem em parques, praças e outros ambientes públicos. Provou-se completamente equivocada a retirada de animais de um local sistematicamente porque outros se estabelecem no mesmo ponto rapidamente sem os cuidados sanitários necessários para a saúde deles próprios e da população humana.


O que o grupo "Gatos do Ipiranga" faz é justamente isso: monitora e controla a população felina garantindo a saúde tanto dos animais quanto das pessoas que frequentam o parque. 

Mas ATENÇÃO:

O único recurso financeiro que esse grupo tem vem por meio de poucos colaboradores que, com a pandemia, tornaram-se ainda mais escassos.

O Bazar é uma forma de conseguir fundos para um trabalho que a cada dia se torna mais difícil dada a situação econômica do país. Por isso, se você puder, participe do Bazar... conheça de perto o que essas pessoas fazem... adote um dos gatos... contribua!

À propósito... Maria Antonieta,  "modelo" do cartaz do evento, é uma gatinha castrada e veterana do Museu. Já vive no parque há 10 anos. Nunca conseguiu ser adotada, mas recebe toda a assistência veterinária, alimento e carinho de que necessita como os demais gatos do Museu e no seu entorno. Ajude para que esse trabalho continue!




Fátima ChuEcco - Jornalista e Escritora 

Autora do clássico "Mi-Au Book - Um livro pet-solidário" que reuniu cães e gatos do Brasil e exterior e teve em sua segunda edição a participação de Brigite Bardot. Jornalista ambientalista, especializada em animais de estimação.
Desenvolve fotolivros literários com crianças e animais. Seu bichinho também pode ter um Mi-Au Book  todinho inspirado nele. Saiba mais no site www.miaubookecia.com  




terça-feira, 17 de agosto de 2021

Japonesinha en-canta e "mia" em clipe sobre um gatinho perdido


Nonoka Murakata, conhecida como Nonochan, de apenas 3 anos de idade (completados em maio), tem encantado pessoas do mundo todo desde o ano passado com o clipe abaixo. Na música, a japonesinha fala sobre um gatinho perdido e, inclusive, imita os miados no refrão. É a coisa mais linda! Tornou-se minha canção diária e eu tento acompanhar os movimentos do bracinho dela enquanto também "mio" junto no refrão. Tentem! Totalmente relaxante!

O vídeo teve até agora mais de 20 milhões de visualizações e a garotinha rapidamente começou a ser contratada para propagandas e convidada para programas de TV


Em novembro de 2020, ela tornou-se a mais jovem cantora vencedora do troféu de prata da história d e um Concurso de Canções Infantis de Rimas Infantis que já teve 35 edições

Há dois meses ela lançou um album de fotos onde aparece em um ensaio com três gatinhos filhotes (foto de abertura dessa matéria)

Gatinho perdido

A letra, de forma bem inocente, reflete uma situação que, recentemente, acrescentei entre os serviços que presto que é de ajudar pessoas que estão com seus gatos desaparecidos. A meiga canção fala exatamente como um gatinho perdido se sente.

Quando vi esse clipe pela primeira vez, cantado em japonês, não tinha a tradução da música ainda, mas percebi de imediato que ela imitava um gatinho e um cachorrinho.... e me apaixonei!

Vejam a letra da música "Inu no Omawari san" ou "Cachorro Policial":

Oh, pobre gatinho vadio

Ele sabe onde fica sua casa?

Ele não sabe o endereço dela

Ele nem sabe o nome dele

Miau-miau miau-miau

Miau-miau miau-miau

Ele só está chorando e chorando

O cão policial

Ele não tem ideia do que fazer

Bow-wow bow-wow

Bow-wow bow-wow

Oh, pobre gatinho vadio

Alguém sabe onde é a casa dele?

O corvo não sabe o endereço dele

O pardal também não sabe

Miau-miau miau-miau

Miau-miau-miau

Ele só está chorando e chorando

O cão policial

Ele não tem ideia do que fazer

Bow-wow bow-wow

Bow-wow bow-wow


Fátima ChuEcco - Jornalista e Escritora 

Autora do clássico "Mi-Au Book - Um livro pet-solidário" que reuniu cães e gatos do Brasil e exterior e teve em sua segunda edição a participação de Brigite Bardot. Jornalista ambientalista, especializada em animais de estimação e, principalmente, em GATOS!
Desenvolve fotolivros literários com crianças e animais. Seu gatinho também pode ter um Mi-Au Book  todinho inspirado nele. Saiba mais no site www.miaubookecia.com  



Presta consultoria sobre gatos perdidos ajudando tutores a adotarem buscas mais estratégicas para encontrar os animais. 



quarta-feira, 4 de agosto de 2021

Saiba como Félix conseguiu ser encontrado depois de 7 dias perdido


Félix, de apenas um aninho, levava uma vida mansa em Brasília na companhia de outros sete gatos. Durante o dia podia ficar solto ao redor da casa, mas depois era recolhido. Quando seus tutores resolveram dar um pouquinho mais de liberdade a ele também à noite, Félix viu um novo imenso mundo se desdobrar na sua frente e ficou impossível não mergulhar nele. E foi assim que se perdeu: explorando a vizinhança sob a luz do luar.

Mas não foi o próprio Félix que me contou isso. Trata-se de uma dedução diante do que seus tutores, Vanessa e Marcelo Araújo, me relataram sobre a personalidade do gatinho. Aliás, Vanessa tinha na ponta da língua o raio-x do seu bichano: sociável, brincalhão, caçador, meninão, confiante e tudo que cabe na descrição de um adolescente como ele.

Gatos com esse perfil tendem a se aventurar caso tenham chance disso. E foi por isso que logo na segunda noite de liberdade Félix sumiu! Imaginem quantos barulhinhos, cheiros novos e gatos que ele não conhecia vindos com o cair da noite não o atraíram para longe de casa!

O casal imediatamente foi falando com a vizinhança, colando cartazes e divulgando seu desaparecimento no grupo de whats app do condomínio. E todas essas ações são realmente necessárias, mas é preciso ter em mente que, se o gato fica acidentalmente preso em alguma casa, galpão, forro de telhado, porão, bueiro... enfim... muitos lugares da onde não consiga sair, só os cartazes e divulgação não bastam porque simplesmente o gato não está em situação de ser visto. 

Por isso as buscas a pé por lugares onde possa estar preso são essenciais.

Felizmente, com Félix, que aparentemente não ficou preso, duas ações deram muito certo: os cartazes e a mentalização, que também chamo de conexão. 

"Ele estava no condomínio do lado do nosso! Estava no meio de um mato. Os vizinhos que haviam visto o cartaz o reconheceram enquanto faziam trilha e nos avisaram. Chegando lá nós chamamos por ele e ele respondeu. Estava faminto e comeu feito um boi. Fizemos a mentalização", conta Vanessa.

Os gatos são muito telepatas e quando se perdem tentam conectar seus tutores, principalmente por meio dos sonhos, onde dão sinais da onde estão perdidos ou do que pode ter acontecido com eles. 

Os tutores de Félix não sonharam com ele, mas Marcelo relatou que tinha uma sensação forte dele estar por perto. Além disso, um outro gato da casa, que é muito próximo do Félix, também emitia sinais de uma possível conexão com ele: miava e chamava pelo amigo insistentemente.

Minha sugestão a todo tutor que está procurando seu gato é: pense nele, peça sinais para encontrá-lo e tente lembrar detalhadamente dos sonhos.

Félix estava cerca de 500 metros longe de casa que, aliás, costuma ser a distância máxima que um gato percorre quando se perde, com exceção de casos em que entra no motor de um carro e vai parar bem longe ou, por alguma razão, é socorrido ou capturado e levado embora. 

Mas geralmente, por vontade própria, eles não andam longas distâncias como os cães. Tendem a se esconder nos imóveis vizinhos. 

Mesmo assim, tudo depende muito, mas muito mesmo, da personalidade do gato e de suas experiências particulares.  Para saber por onde anda um gatinho perdido é preciso levar em conta, inclusive, sua idade ou a fase da vida em que ele se encontra. 

Um gato maduro ou idoso dificilmente vai se arriscar numa aventura e deixar para trás cama, comida e pelo lavado. Caso escape vai se esconder bem do lado de casa. 

Já um gato jovenzinho como o Félix, que não é traumatizado ou assustado e, pelo contrário, adora fazer amizades, tende a explorar a redondeza. 

Podemos arriscar dizer que Félix saiu pra uma balada, se empolgou seguindo outros gatos da região e, quando deu por si, já não sabia mais voltar para casa.

Na hora de procurar um gato perdido muitos fatores devem ser levados em consideração para uma busca mais assertiva.

QUER MAIS DICAS? Então acompanhe a live comigo e o tutor do Félix no Instagram @marcelomca (permanece à disposição)



Conheça outras histórias de gatos perdidos com finais felizes nesse blog e acesse o Grupo  do Facebook Gatos Perdidos e Encontrados em SP que tem várias dicas e é um espaço tanto para quem procura por um gato quanto para quem achou um gatinho que aparenta estar perdido.

Consultoria personalizada para encontrar gatos perdidos



Fátima ChuEcco - Jornalista e Escritora 

Autora do clássico "Mi-Au Book - Um livro pet-solidário" que reuniu cães e gatos do Brasil e exterior e teve em sua segunda edição a participação de Brigite Bardot. Jornalista ambientalista, especializada em animais de estimação e, principalmente, em GATOS!
Desenvolve fotolivros literários com crianças e animais. Seu gatinho também pode ter um Mi-Au Book  todinho inspirado nele. Saiba mais no site www.miaubookecia.com 








terça-feira, 3 de agosto de 2021

GENTE É GENTE, BICHO É BICHO, MAS GATO É GENTE



Encontrei essa matéria na revista "Como pensam os animais" que está à venda nas bancas de revistas. A FOTO, convenhamos, SENSACIONAL!



Inclusive, estou vendendo um fotolivro capa dura de luxo, de minha autoria, chamado "Gente é Gente, Bicho é Bicho, mas Gato é Gente" reunindo um pouco da filosofia e modo de viver dos gatos... ricamente ilustrado. 

E vc pode encomendar ainda um fotolivro com fotos do seu gatinho ilustrando frases relacionadas à filosofia felina.

Interessados devem solicitar pelo whats app 11 94682-6104 Mais detalhes deste e de outros fotolivros com animais no site www.miaubookecia.com


                                                      Texto e fotos: Fátima ChuEcco


domingo, 1 de agosto de 2021

Gata passou a viver em bueiro depois que se perdeu


A história de Sabrina serve de alerta para os tutores que estão com gatinhos perdidos. Essa gatinha, de um  ano de idade, já estava há semanas sendo procurada pela tutora Débora Caetano, de SP:

"Anunciei nos grupos do Facebook de animais perdidos, no Instagram, comuniquei todos os vizinhos do bairro no qual eu tinha contato via WhatsApp, Messenger, e os que eu não tinha contato. Pedi para me ajudarem a compartilhar, como uma corrente do bem e foi quando vizinhos do bairro disseram que viram um gato parecido com ela, saindo e entrando no bueiro que fica no final da minha rua de madrugada, muito assustada".

Junto com o alívio de talvez ser a Sabrina, veio uma nova preocupação:

"Fomos até o local para ver se era verdade, e sim, era ela. No entanto, ficamos duas semana tentando resgatá-la porque ela não queria sair do bueiro... estava amedrontada. Então todo dia íamos até o bueiro, conversávamos com ela, dávamos comida e água. Também levávamos lanterna para mostrar a luz e o caminho de saída para ela. Então, para a nossa felicidade, ela finalmente resolveu sair e foi para os braços da minha mãe, pedindo carinho. Já levamos no veterinário, fez todos os exames e, graças a Deus, ela está bem e em nosso lar!".

Débora acredita que Sabrina ficou vivendo no bueiro por três semanas. Essa atitude da gatinha é fácil de entender quando olhamos para seu passado. Sabrina foi vítima de maus-tratos e Débora a resgatou muito machucada. A triste experiência reforçou em Sabrina um comportamento extremamente medroso e desconfiado que, provavelmente, fez ela buscar abrigo num bueiro e relutar em aceitar ajuda até mesmo de pessoas conhecidas.


Um grande erro dos tutores ao procurarem seus gatos é  presumirem que o animal não está "acostumado" a fazer isso ou aquilo. Assim, deixam de checar pontos onde pode estar escondido, acuado e até ferido esperando ser achado. Muitos também deixam a procurar nos locais mais próximos.

Débora não imaginou que sua gatinha estaria num bueiro da sua própria rua. Da mesma forma, muitos tutores não imaginam que seus gatos podem ter entrado numa casa com cachorros, num forro de telhado ou se escondido em alguma casa vazia ou habitada. 

Meu gatinho também se perdeu num bueiro

Quando eu era criança tive também um gato que se perdeu dentro de um bueiro. Desapareceu por duas semanas até que ouvimos um miado agudo vindo do bueiro do quintal que era bem fundo. Minha mãe imediatamente quebrou com um martelo a grade do bueiro para que ele pudesse sair. O gatinho foi escalando as paredes do bueiro com as unhas já que a sujeira e o lodo davam a ele algo em que se segurar para subir.

Estava puro osso e imundo. A gente acredita que ele entrou num bueiro da rua, talvez atrás de algum rato, e lá dentro se perdeu entre as várias ramificações. Assim, pode ter seguido por várias tubulações tentando achar uma que desse na nossa casa ou por onde ele conseguisse vir pro solo. Felizmente conseguiu, mas também poderia ter morrido até mesmo afogado se não o tivéssemos ouvido.

Por isso, bueiros são locais que devem ser checados quando os gatos se perdem por mais que pareça improvável o gato ter se enfiado num deles. Fica a dica.

Procurando Gatos Perdidos

Administro o grupo do Facebook "Gatos Perdidos e Encontrados em SP" que tem muitas dicas para os tutores procurarem seus amados gatinhos e também vários relatos de quem conseguiu achar o gato. Basta acessar o grupo AQUI e verificar nos albuns de fotos.

Além disso, também presto consultoria personalizada pelo whats app:



Texto: Fátima ChuEcco

Autora do clássico "Mi-Au Book - Um livro pet-solidário" que reuniu cães e gatos do Brasil e exterior e teve em sua segunda edição a participação de Brigite Bardot. Jornalista ambientalista, especializada em animais de estimação e, principalmente, em GATOS!
Desenvolve fotolivros literários com crianças e animais. Seu gatinho também pode ter um Mi-Au Book  todinho inspirado nele. Saiba mais no site www.miaubookecia.com 



Urgente: Doe ração para 130 gatos numa situação crítica em SP

Ajude comprando pela internet ou diretamente na Canto Lindo Pet Shop avisando que é para o Projeto Perfeitos e Especiais que abriga 130 gato...