quinta-feira, 9 de julho de 2020

Uma solução para o caso de Sansão e atrocidades similares




Casos como do Sansão, um jovem pit bull que recentemente foi amordaçado e teve as duas pernas amputadas, causam revolta coletiva e sensação de impotência. Isso porque todos vivem repetindo que “nossas leis são brandas” e que “tem que mudar nosso código penal”. Assim ... depois do furor devido à dor do episódio, grande parte das pessoas esquece e aguarda uma nova crueldade extrema para se rebelar novamente nas redes sociais.

Tem as petições, as manifestações, alguma movimentação por parte de políticos e tudo isso é válido, mas se não é possível alterar o código penal "já" alguma outra coisa deve e "pode" ser feita para conter esses casos de violência extrema contra animais. 

Um cadastro oficial com nome e CPF de todas as pessoas condenadas por ferir e matar animais. 

Elas ficariam com o “nome sujo”, do mesmo jeito que acontece quando ficam devendo na praça, só que no caso de terem cometido atrocidades, isso servirá para impedí-las de conseguirem novos empregos porque, em geral, o CPF das pessoas é checado quando elas buscam um trabalho.

Quanto aos criminosos mais abastados, empresários por exemplo, seu CPF nesse cadastro também mostraria a possíveis parceiros comerciais sua índole e isso poderia prejudicar os negócios.

Pra isso não precisa alterar código penal...

Seriam cadastradas aquelas pegas em flagrante, que confessarem os crimes ou que depois de julgamento tenham sido consideradas culpadas.

O ideal seria que o Brasil funcionasse como outros países onde crimes de extrema crueldade contra animais indica que aquele sujeito é também um perigo para a sociedade e precisa ser mantido distante dela. 

Isso porque o cara que corta as pernas de um pit bul imobilizado é o mesmo cara que desfigura o rosto de uma mulher por ciúmes ou que estupra uma criança.

Não tem diferença. 

É a mesma pessoa covarde que ataca, fere e mata criaturas com força inferior à sua e que, muitas vezes até se diverte com isso. Ainda que Sansão fosse um cão agressivo com outros cães dos arredores (como os criminosos disseram)... ainda assim... muita coisa podia ser feita ser qualquer violência... 

Nada e absolutamente nada justifica a covarde amputação de suas pernas. Isso é violência em seu mais alto grau de brutalidade. Quem faz isso normalmente não faz só uma vez e, normalmente, não faz só com animais. E isso não sou eu que digo, mas inúmeros estudos.

Nos EUA até as crianças que cometem crimes terríveis contra animais são monitoradas porque revelam que podem se tornar adultos cruéis e um perigo para toda a sociedade.

No Brasil ainda não se consolidou entre as autoridades e governantes uma consciência de que o mesmo criminoso que amputa patas, que fura olhos, que enforca e que queima com óleo quente os animais (entre outras coisas) é, no mínimo, um perigo para todos.

Então o cadastro seria uma forma de desmotivar ações como essa cometida contra Sansão e tantos outros.



Pagar o Mal com o Bem

Quase todo mundo acredita em duas justiças: a dos homens e a de Deus. E muita gente, diante de casos como do Sansão e do Manchinha (lembram dele ou já esqueceram?!) acredita que os criminosos serão punidos a ponto de sofrerem igual ou ainda pior pelas mãos divinas.

Talvez. Não sabemos. Esse julgamento não cabe a nós.

Mas a nós cabe nos protegermos uns aos outros e os animais que dividem conosco esse planeta. 

Ao meu ver, “pagar o mal com o bem” é buscar soluções onde os bons fiquem protegidos dos maus e os maus fiquem isolados tempo suficiente (dependendo do caso a vida toda) para repensarem seus atos e direcionarem sua índole violenta em atividades que não prejudiquem ninguém – o que é um bem para eles mesmos. Essa é a que chamamos justiça dos homens e a única que nos compete.

Às vezes essa nossa Justiça consegue isolar ou deter o mal... muitas vezes não. 

Mas ficar de braços cruzados diante do mal, lamentando o tal fantasma indestrutível de um código penal que só contempla esses casos com leis suaves, certamente não é pagar o mal com o bem. Fica a sugestão para que os antigos, novos e futuros políticos pensem em "novas" formas de conter as atrocidades contra os animais.

Fátima ChuEcco
Jornalista/Escritora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DIA MUNDIAL DO GUARDA FLORESTAL. Vamos cumprimentar os heróis que protegem os gorilas

Na foto estão as gorilas Ndakazi e Ndeze - sim elas ficam de pé como pessoas - e alguns dos guardas florestais da República Democrátic...