sexta-feira, 12 de junho de 2020

Caçadores matam gorila Rafiki que protegia sua família com 17 membros


"Este é o lado mais sombrio da pandemia de coronavírus! Os caçadores furtivos tomam conta da vida selvagem enquanto os arbustos ficam silenciosos sem turistas e patrulhas limitadas! Este gorila da montanha silverback foi morto por caçadores furtivos, quatro deles foram presos pelas autoridades do parque, mas o tesouro se foi!" - o depoimento é do guarda florestal Estimic Visiri que postou a foto acima em seu facebook . Estimic não trabalha em Uganda, onde Rafiki foi assassinado, mas também protege os gorilas-das-montanhas que vivem na República Democrática do Congo.

Rafiki era um gorila-da-montanha conhecido como "costas prateadas" (característica comum em gorilas líderes). Ele e sua família de 17 membros eram bem conhecidos dos preservacionistas de Uganda e também dos turistas. Rafiki tinha por volta de 25 anos e estava bem habituado ao contato humano. Os guardas florestais notaram seu desaparecimento no dia 1 de junho e no dia 2 encontraram seu corpo perfurado por um objeto cortante que atingiu seus orgãos internos.

Quatro caçadores locais já foram detidos e um deles confessou que durante uma caçada a outros animais Rafiki os atacou. A cena é improvável porque os gorilas nunca atacam a não ser que sejam ameaçados. Como protetor natural de uma família com 17 gorilas, Rafiki só teria uma atitude agressiva se visse seu bando em perigo. Os caçadores podem ter tentado se aproximar de algum gorila jovem que por ventura tenha se afastado da família.

Veja vídeo de Rafiki... reparem em seu olhar, tão sereno e humano:


Outra hipótese é dos caçadores, ao perseguirem outros animais, terem adentrado num local onde a família de Rafiki descansava. Mas... ainda assim... acostumado à presença humana, no máximo, Rafiki teria tentado espantar os caçadores com urros e quebrando galhos, que é o comportamento natural e mais usual de qualquer gorila-da-montanha numa posição de liderança.

O que acontece com a numerosa família de Rafiki agora?

Quando uma família de gorilas-da-montanha perde seu líder, ela tende a se dispersar, facilitando ainda mais a ação de caçadores. E, aliás, muitas vezes, matar o líder tem justamente esse propósito: dispersar o grupo e deixar mães e bebês bem vulneráveis. O que pode acontecer é um gorila do próprio grupo, com personalidade forte conseguir reunir todos novamente ou um gorila selvagem e solitário conseguir atrair parte dos membros, especialmente as fêmeas, e assim dar início a uma nova liderança.

Existem apenas mil gorilas-das-montanhas no mundo... só mil. Estão nas Montanhas de Virunga entre República Democrática do Congo, Uganda e Ruanda. Em Uganda o turismo de observação dos gorilas em seu habitat natural tem ajudado a conseguir recursos para a preservação da espécie e combate aos caçadores.

Mas a pandemia de covid-19 promoveu o fim do turismo e abriu portas para caçadores locais.  Não está fácil! Além de serem suscetíveis as doenças humanas, os gorilas enfrentam também a ação de assassinos bem armados que agora se sentem mais à vontade para matar essas adoráveis e raras criaturas.

Fátima ChuEcco
Jornalista/Escritora

Um comentário:

  1. É difícil dizer algo sobre mais este assassinato. Dizer que a espécie humana é a mais daninha que caminha sobre este planeta seria um lugar comum.
    A ganância continua a mover este mundo e nós assistimos a espetáculos dantescos todos os dias, como no caso deste irmão animal que se foi.
    É de entristecer a alma e o coração...
    RIP Rafiki!

    ResponderExcluir

ESTRANHAS MANIAS FELINAS

“Daqui não saio, daqui ninguém me tira”. A frase, que é muito popular no Brasil, se encaixa direitinho em algumas situações protago...